Gustavo Tagliassuchi
Estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, admirador do WordPress, co-organizador dos Meetups de WordPress em Porto Alegre, organizador do WordCamp Porto Alegre 2019 e co-organizador em 2018 e 2017, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto, corredor muito muito amador e sócio da Agência Dupla.

Vídeo Marketing

Vídeo Marketing

Já faz algum tempo que tenho tentado melhorar minhas habilidades em vídeo marketing.

Na verdade comecei a utilizar algumas ferramentas lá em 1995, antes da Internet comercial.

Sim, existia vídeo, capturávamos em Hi-8 e convertíamos com a placa de captura nativa do nosso PowerMac 7100.

A edição ficava por conta do Adobe Premiere, eventualmente tinha algum processamento adicional por conta de escolher os melhores codecs, que nem sempre funcionavam da mesma forma em Macs e PCs.

Ainda que nossos vídeos eram produzidos normalmente para alguma peça multimídia, CD-ROM, um quiosque ou alguma coisa personalizada para algum cliente diferenciado.

E a Internet apareceu

E assim junto com ela, tudo começou a evoluir, e o vídeo sendo uma ferramenta poderosa, como o Google mesmo percebeu antes de adquirir o YouTube em 2006 e migrar a força nossos vídeos do Google Vídeos.

Nesse ponto perdi o controle de diversos vídeos, inclusive boa monetização que tinha, mas enfim, o vídeo veio para ficar, e hoje, em 2019 as empresas B2B e B2C perceberam isso.

As pessoas escolheram o vídeo

Atualmente mais de 72% das pessoas preferem o vídeo para aprender mais sobre um produto ou serviço, e se você tiver filhos entre 8 e 18 anos, pode perceber que eles tendem a pesquisar no YouTube da mesma forma que você pesquisa no Google.

Isso leva a outro dado, para 2020 as empresas planejam dobrar os investimentos em todos os tipos de vídeo. E isso não é para agradar somente aos millenials.

Marketing e vendas

Os vídeos estão totalmente integrados aos processos de marketing e vendas, então deixaram de ser algo desnecessário, fazem parte do arsenal de recursos.

Mudanças de comportamento

No cenário atual, 2019, a duração média de um vídeo fica próxima dos 4 minutos. Isso já é bem menor que a média de 6 minutos de 2017.

A maioria das pessoas hoje, 52% assistem regularmente aos vídeos, independente da duração, mais que os 46% que o faziam em 2017.

E 68% assistem até o final um vídeo com menos de 60 segundos, mas só 25% assistem até o final se ele tiver mais de 20 minutos.

Empresas de tecnologia, entretenimento e comunicação

As empresas deste mercado publicam muito mais vídeos que as demais. Sendo uma média de quase 300 vídeos anuais.

Tecnologias acessíveis

Muitas empresas não produziam vídeos por falta de recursos em 2017, apenas 37% gerava algum conteúdo em vídeo.

Atualmente mais de 52% delas estão produzindo vídeos, graças às tecnologias mais simples e acessíveis, de captura, edição e distribuição, bem como foco principal no conteúdo/mensagem e menos na qualidade da produção.

Até porque a parte dos vídeos sendo consumidos no mobile, permitem uma boa margem no que diz respeito aos recursos e qualidades de captura e edição.

Tipos de vídeos

Existem dezenas de tipos de vídeos que você e sua empresa podem produzir, mas o que está realmente bombando neste momento são alguns formatos específicos, principalmente webinars, demos e vídeos para mídias sociais.

Os webinars é possível de entender, afinal 73% dos marketeiros e especialistas em vendas atribuem a eles a melhor maneira de gerar leads de qualidade.

E 80% dos consumidores acreditam que são influenciados por vídeos demo, ou de demonstração de produtos e serviços.

Ainda, os marketeiros afirmam – e eu discordo muito – que conquistam clientes novos a cada vídeo publicado em redes sociais.

Pela ordem temos:

  • Webinars
  • Demos
  • Vídeos para redes sociais
  • Vídeos explicativos
  • Vídeos de produtos
  • Vídeos de usuários
  • Vídeos de como fazer
  • Vídeos de liderança e motivação
  • Livestreams ou “lives”
  • Vídeos culturais
  • Vlogs em geral
  • E fechando vídeos 1 para 1

Canais de vídeos e plataformas

Também temos uma grande variedade de locais para publicar e distribuir vídeos, obviamente pela ordem dá para entender algumas coisas.

  • Web sites
  • Redes sociais
  • YouTube
  • Landing Pages
  • Webinars gravados
  • E-mails
  • Conversões de vendas

Isso tudo indica que o marketing está utilizando mais o vídeo como solução.

Duração dos vídeos

Não é de se espantar que a maior parte dos vídeos tenha duração entre 0 e 60 segundos (49%) e entre 1 e 2 minutos (24%) pois as pessoas não tem muito tempo (e nem paciência) para assistir a vídeos muito longos.

Então eu resolvi agir

Eu achava que iria produzir um livro e depois um curso sobre vídeo marketing, mas não pode ser assim.

Primeiro porque minha performance frente às câmeras segue muito abaixo da expectativa.

Segundo porque deveria ter mais “massa crítica” sobre o assunto antes de querer ensinar algo.

Então resolvi fazer o seguinte, embora utilize vídeos de diversos tipos, faça edições espartanas, tenha alguns equipamentos de tipos diferentes para coletar vídeo e áudio, resolvi que além de melhorar minha pesquisa e conhecimentos, iria transformar esse projeto em algo aberto e gratuito.

Então se prepare e acompanhe nos próximos meses as dezenas de posts que farei sobre o assunto.

A mensagem aqui desta página é clara: Se você não está fazendo vídeo marketing para fins pessoais ou profissionais, então está perdendo tempo e dinheiro!

Gustavo Tagliassuchi

A cada vez que um for publicado, esta página será atualizada para refletir as novidades.

Não deixe de comentar, entrar em contato pelo formulário, ou simplesmente se cadastrar abaixo para receber email marketing exclusivo sobre o assunto periodicamente.

Aguardo você.

Outras publicações sobre vídeo marketing

Receba as atualizações por e-mail