[Agência Digital na prática] Produzindo e Entregando

Agência Digital na prática - Produzindo e Entregando

Claro que tudo que falamos até aqui é muito legal, muito bonito, mas o que importa no final é o que você está entregando para o seu cliente.

Não vou entrar no mérito que você precisa sempre fazer o seu melhor, se diferenciar da concorrência em algo que seja visível ou desejável pelos seus clientes ou futuros clientes.

O que você entrega?

É importante lembrar aqui que normalmente entregamos algo “intangível”, um web site, um blog, uma landing page, um aplicativo online, um app, algo que está em algum lugar da web. Mas isso não quer dizer que você não deva fazer um ritual para este fim.

Se puder construa os wireframes antes, mostre como vai ficar. Dá um pouco de trabalho inicial mas ele dando o ok que viu fica mais fácil seguir o que foi combinado e evitar no final algo do tipo: Dá pra mudar o menu da esquerda para a direita?

Como você entrega?

Bom eu normalmente ia até o cliente (se fosse perto né), fazia uma pequena apresentação e deixava um documento impresso, que normalmente tinha a imagem da cara do projeto além de algumas informações descritivas, para o cliente assinar, era o termo de entrega de projeto.

É importante fazer este tipo de coisa, mesmo que você não exija o documento de finalização, a apresentação final é uma etapa finalizada, é você dizendo sem estas palavras: olha, terminei o projeto, sou confiável, e o próximo?

Pense nisso, pense em como você tem entregue. Não estou dizendo que eventualmente você atende somente clientes de outras cidades e estados e não possa fazer isso por e-mail ou por Skype.

Seu cliente aceitou a entrega?

É importante lembrar que as vezes o cliente estava tão feliz que assinava o documento na hora, encerrando a etapa. As vezes mandava o documento depois (lembre-se de enumerar as etapas do projeto lá no início e no contrato), e isso não quer dizer que ao entregar acabou tudo.

Se tiver alguma coisa errada corrija. E não seja intransigente, alguma alteração adicional não prevista (que seja viável e rápida) pode ser executada, lembre-se de encantar, as vezes esses pequenos momentos fazem toda a diferença.

Mas seja justo com você mesmo, se isso for ter um impacto grande de tempo (e no seu $$$) então tem que falar abertamente com o cliente e buscar uma alternativa, um adicional.

Ou é o momento de oferecer a manutenção que ele não queria no início do projeto!

Equipe

Não vou me alongar no que diz respeito a equipe. Só vou lembrar que precisamos sempre ensinar o que sabemos, somente desta forma evoluímos.

Então não tenha medo de ensinar os seus colaboradores. Eles vão ir embora em algum momento, por diversos motivos, para nós os piores são quando oferecerem um salário maior e mesmo sabendo que o profissional vale, não conseguimos cobrir a oferta.

As vezes conseguimos manter o profissional com o salário abaixo baseado no que ele entende de nossa proposta, no que ele acredita, pois ele vê como atuamos e se motiva com isso. Mas eventualmente não é possível, não tenha medo, apoie ele, as pessoas precisam evoluir, não tem nada de errado.

Ainda nesta linha, certa vez tinha decidido me separar dos meus sócios, abri a Agência Internet, e tinha apenas 2 colaboradores. Os negócios estavam devagar, meu filho prestes a nascer e eu apavorado. Consegui um projeto maior que me daria o fôlego inicial que precisava.

Porém recebi uma notícia, meu principal programador recebeu uma oferta, mudaria até de cidade. Primeiro fiquei decepcionado e triste. Mas em seguida analisei a situação, apoiei ele, expliquei que gostaria, mas não podia naquele momento cobrir a oferta.

Perdi o projeto (sim eu preferi explicar ao cliente em linhas gerais o que acontecera) do que ficar postergando a data de entrega e criar um problema maior. Às vezes é preciso perder para ganhar.

O programador me ajudou a colocar alguém no seu lugar, em poucas semanas obtive mais alguns projetos e a coisa começou a andar novamente, mas fiquei com a consciência tranquila e o cliente (que não atendido) gostou da minha atitude.

Ele ficou tão satisfeito com o meu posicionamento que posteriormente não só fizemos negócios juntos como ele sempre que podia contava a história e me indicava para sua rede de relacionamentos.

Mas voltando ao ponto, mantenha a equipe feliz, pague a eles não só o que é de direito (siga as regras da lei), motive, bônus por produtividade é uma ferramenta fantástica. Tive ótimos funcionários e excelentes colaboradores. Poucos se tornaram meus sócios, mas ainda sou amigo da maior parte deles atualmente, mantendo contato.

É excelente quando eles consideram você importante em alguma parte do crescimento profissional deles, é revigorante.

Além disso lembre-se, hoje ele é seu estagiário ou funcionário, amanhã pode ser concorrente ou mesmo parceiro comercial, então não é melhor ser seu amigo também?

Você terceiriza?

Não vejo problemas em terceirizar. Utilizava serviços de designers com alguma frequência, também tinha um profissional fantástico especializado em transformar as fantásticas imagens das interfaces em HTML/CSS, e ele fazia trabalhos excepcionais, pois além de fazer o que era solicitado normalmente dava um “upgrade” adicional, explicando os motivos (e mantendo a versão solicitada também).

Não tenha medo de terceirizar, normalmente os especialistas valem cada centavo, e mesmo sendo custo adicional lhe economizam tempo e lhe dão resultados adicionais, você vai ser parabenizado pelo sucesso do terceiro.

Hoje é ainda mais fácil, dezenas de marketplaces de todos os tipos, profissionais do mundo todo, programadores, designers, editores de conteúdo, de vídeos, e tudo o que você puder imaginar.

Mas lembre-se de manter o controle, é fácil perder os prazos quando se depende de terceiros. E outra regra importante, uma vez encontrando fornecedores de confiança, mantenha eles sempre por perto, não fique inventando moda só para baixar seu custo em 10%.

Permutas

Eu fazia permutas, principalmente com gráficas. Mas nunca faça 100% do valor, a menos que você conheça bem como funciona do outro lado, custos e valores adequados, senão pode ser um tiro no pé.

Normalmente fazíamos essa troca, orçava o valor cheio dos projetos e ia abatendo dos materiais gráficos impressos que mandava produzir. E funcionava, era um fornecedor de confiança e qualidade, amigo mesmo.

Você pode fazer permuta em todas as áreas que achar necessário, só mantenha o controle e trate a empresa como trataria um cliente normal, cumpra prazos e mantenha a qualidade do serviço.

Gerenciando

Você pode começar com coisas simples, ou softwares ou aplicativos mais sofisticados. Mas é importante mostrar o andamento do projeto nos pontos que achar mais conveniente, não só o cliente vai vendo a evolução como vai ficando mais tranquilo.

Evite destruição do escopo, mantendo as coisas alinhadas ao que foi definido originalmente.

Se quiser começar a gerenciar de maneira mais simples sugiro fortemente ativar o Google Apps para sua empresa e utilizar tudo o que ele oferece, ou ainda começar a assinar o Office 365.

Entreguei e agora?

Se foi o combinado dê o treinamento para quem for operar o projeto do outro lado. Otimize, se for o caso faça screencast e deixe disponível para ele, vai poder consultar sempre sem ficar pedindo novos treinamentos.

Celebre, mande e-mails agradecendo. Mande um chocolate, um livro ou um vinho. Se tiver alguma parcela em aberto na entrega do projeto, cobre apenas 48h depois. Dê um tempo para o cliente, não seja ansioso.

Peça e colha feedback 30, 60 dias depois. Coloque o projeto dele na sua galeria e mostre a ele como foi importante.

Divulgue na sua newsletter o lançamento do projeto e certifique que ele vai receber (sim você mesmo cadastra seus clientes para receberem sua newsletter).

Depois de entregue e funcionando, colete informações de performance, indexação no Google e Bing, e mostre. Envie também indicações de uptime depois de 30, 60 dias.

Demonstre que o projeto ficou melhor e valeu a pena. Mostre que valeu a pena fazer com você.

Vídeo: Produzindo e Entregando

Assista ao vídeo, ele contém informações adicionais.


Módulos do curso

  • Introdução: Você está começando, seus problemas não são exclusivos, a percepção que criam de você e do seu negócio.
  • Posicionamento: Quem você é e como se posiciona para o mercado.
  • Tipos de clientes: Tipos de clientes que você vai encontrar, que você vai atender e como atender adequadamente.
  • Leads, briefing, propostas e contratos: Como organizar melhor o ciclo de vendas, tipos de propostas, sugestão de propostas, contratos e ferramentas úteis para lhe auxiliar neste processo.
  • Produzindo e entregando: Como fazer, entregar e garantir que tudo esteja de acordo. Encante o cliente. Ainda, ferramentas para apoiar este processo.
  • Atendimento e suporte técnico: Organize suas demandas, controle as demandas dos seus clientes, atenda bem e os deixe sempre felizes.
  • Receitas recorrentes: Como manter o fluxo do faturamento sem ter que correr atrás todo o mês. Exemplos práticos e fáceis de implementar.
  • Evolução constante: Como se manter atualizado, conectado e sempre evoluir.
  • Finalizando: E agora? Como seguir adiante?

Gustavo Tagliassuchi

Velha ave de rapina, estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, profundo admirador do WordPress, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto e corredor muito muito amador.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *