A educação de nossos filhos

Tenho observado há algum tempo, desde que o meu filho mais velho começou a estudar, que de fato a educação de nossos filhos ainda é preocupante, em todos os sentidos.

Ele está com 11 anos, já está na segunda escola, e os modelos que tenho observado ainda são os do século passado, pilhas de conteúdos que devem ser decorados sem nenhuma função específica.

Me incomoda mais ainda que outros pais amigos com seus filhos em outras escolas enfrentam e observam problemas semelhantes. Não importa o tipo de escola, se pública ou particular, os avanços tecnológicos não estão impulsionando o aprendizado.

Falo isso porque observo muito e leio muito. Eu entendo que temos alguns problemas para vencer, mas o que me perturba é que tanto professores quanto alunos estão cada vez mais conectados, e isso é a pergunta principal, conectados ao quê?

Veja o que tem me preocupado

  • A infraestrutura da Internet ainda é um problema no Brasil, muitos bairros com atendimento precário, tanto em links físicos quanto celular, AS PESSOAS NÃO TEM INTERNET EM CASA!!!
  • Internet é muito cara e lenta de modo geral, de qualidade sofrível.
  • Se as pessoas estão ficando mais tempo online (alunos, pais e professores), então isso tem que ser revertido em algum tipo de benefício para o conhecimento e evolução de um modo geral?
  • As iniciativas de educação online (e observei coisas interessantes do Bradesco, Vivo e de algumas prefeituras em SP) ainda são modestas, e se baseiam em distribuição de notebooks (normalmente simples e inferiores ao que os alunos tem em casa), e as aplicações utilizadas são de uma chatice que nem meu filho mais novo tem interesse, se diverte com coisas mais evoluídas no seu tablet.

Escola e Família: em busca de uma nova relação – Rosely Sayão – TEDx

Será que sou apenas eu?

E o pior é que nem poder público, nem escolas (públicas e particulares), e muito menos professores parecem realmente preocupados com essas questões, e muitas outras, como:

  • Será que não é a formação dos professores que precisa ser revista?
  • De que maneira posso cobrar isso da escola dos meus filhos?
  • Estou fazendo certo com a educação de nossos filhos, permitindo acesso contínuo (embora controlado) sem respaldo da escola?

Este texto na verdade é uma primeira reflexão sobre o assunto. Estou lendo e coletando informações para aprofundar as questões que levantei acima, e quem sabe sugerir alguma coisa prática para evoluir a educação de nossos filhos, ao invés de ficar apenas rosnando.

Atualização: A SBP, Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou em novembro de 2016 um estudo, intitulado “Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital”, bom dar uma lida.

Gustavo Tagliassuchi

Velha ave de rapina, estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, profundo admirador do WordPress, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto e corredor muito muito amador.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *