Internet das Coisas

Internet das Coisas

Poderia ter dado um nome mais pomposo, IoT, ou Internet of Things, mas isso tudo não interessa, o que interessa é o impacto da Internet das Coisas na nossa vida.

É de fato talvez uma das mais importantes ferramentas e que vai impulsionar uma grande variedade de empreendimentos a partir de agora para quem estiver ligado e surfar nesta onda, que não tem mais volta.

E a definição mais adequada que eu li foi IoT é um grupo de objetos com potencial de se comunicar entre si. Ou ainda, uma rede de objetos conectados à Internet.

O potencial disso tudo para melhorar a nossa vida é gigantesco.

Mas onde isso surgiu?

Alguns atribuem a Tesla e Edison os primeiros dispositivos integrados que se comunicavam de alguma forma. Outroa acham que foi pela década de 50-60 que começamos realmente a fazer coisas deste tipo.

Alguns acham que foi somente com os dispositivos da Nest que isso passou a ser verdadeiro, a bem pouco tempo atrás.

Outros atribuem o termo a Kevin Ashton do MIT, que teria cunhado o termo em 1999. Outros já falam em Apple e IBM, mas isso não leva a lugar nenhum, o importante é como será daqui para frente.

Vamos deixar algumas coisas claras

  • Eu entendo que isso vai revolucionar as nossas vidas e a vida das empresas;
  • Vai permitir fazer mais coisas, monitorar mais coisas, e descobrir mais coisas no que diz respeito a manter nossos dispositivos funcionando (ou não) e administrando nossos bens materiais;
  • Vai proporcionar relativos ganhos na área de saúde, manufatura, educação e transporte, mas em muitas outras também;
  • E aí podemos começar a falar em cidades inteligentes (de verdade), não só gerando dados que ninguém sabe o que fazer, mas controlando o que precisa ser controlado, e evitando gastos desnecessários, energia, água, sinalização, etc;
  • Ao mesmo tempo que IoT tem muito hardware, o software ganha ainda mais importância neste cenário;
  • A monetização vai migrar para o nível dos dados coletados;

Alguns dados para entreter (ou apavorar)

  • A Cisco estima cerca de 50 bilhões de dispositivos inteligentes conectados à Internet em 2020;
  • A maior parte as empresas de hardware, software, telecom e semicondutores é um potencial player do mercado de IoT;
  • Os consumidores ainda tem barreiras para aceitar os dispositivos, mas vamos ver mais dispositivos na área de vestimentas inteligentes e automação doméstica a partir de agora;
  • Na área industrial a IoT é vista com bom olhos, geradora de economia, incentivadora de maiores controles na geração e análise de grandes volumes de dados do ambiente produtivo, em tempo real;
  • Segundo o Google a busca por termos referentes a IoT cresceu exponencialmente no último ano, todo mundo quer saber mais sobre isso;
  • A privacidade segue sendo um dos maiores problemas com a IoT, pelo menos para 70% das pessoas;
  • Segurança, saúde, dificuldade em consertar, entupir a Terra de máquinas, não saber onde isso vai levar também são outras preocupações em menor escala;
  • Segundo a Mobile Future em 2020 os dispositivos conectados trocarão entre si cerca de 44 ZB de dados!

Algumas aplicações

Acho que vai estar em todos os lugares, e nem vamos mais perceber;

  • Vigilância;
  • Governança;
  • Infraestrutura (manutenção);
  • Saúde;
  • Integração;
  • Trânsito;
  • Construções inteligentes;
  • Todos os tipos de sensores e coletores de dados;
  • Descoberta de dados;
  • Visualização de dados em tempo real;
  • Previsão de acontecimentos;
  • Localização de pessoas e coisas em tempo real;
  • Redundância;
  • Gerenciamento de serviços;
  • Entretenimento;
  • Brinquedos;
  • Agricultura;
  • Logística e navegação;
  • Gestão do chão de fábrica;
  • Redes de energia;

Coisas que devemos considerar

  • As pessoas ainda esperam mais dos seus smartphones que dos dispositivos de IoT;
  • São dispositivos que vão ter que ficar permanentemente conectados;
  • Mais consumo de banda na Internet;
  • Mais consumo de IPs;
  • Muitas brechas de segurança;
  • Abandono de dispositivos;
  • Obsolescência;
  • Algumas empresas consideram importante dar foco em IA e Big Data antes de se aventurar com IoT;
  • Devemos nos preocupar com esse legado para nossos filhos?
  • A personalização não vai ficar excessiva uma vez que teremos todos nossos perfis de consumo/uso mapeados?

Quem está forte nisso já

  • Dell
  • Google
  • IBM
  • Microsoft
  • Cisco

Será que estamos preparados para um cenário onde todos nossos veículos, todas as nossas roupas, todos os nossos dispositivos, todos os lugares que frequentamos, praticamente tudo o que consumimos estará conectado (e sendo coletado/analisado por alguém)?

Os EUA preveem uma oportunidade de ultrapassar a China na área de manufatura destes tipos de dispositivos.

Eu vejo muitos benefícios, menos desigualdades, mas também vejo ameaças e mau uso de dados de terceiros. E você, o que acha?

Gustavo Tagliassuchi

Velha ave de rapina, estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, profundo admirador do WordPress, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto e corredor muito muito amador.

2 Responses

  1. Cara, eu vejo oportunidades! Já estamos iniciando o desenvolviemnto de algo com nossos sistemas em Arduino e/ou Raspberry Pi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *