Mecanismos de busca alternativos ao Google

Mecanismos de busca alternativos ao Google? Existem? Sempre tive interesses especiais por mecanismos de busca, nem sempre foram alternativos ao Google, pois a história começa muito antes disso…

O que são? Como surgiram?

Desde que comecei a acessar a Internet, lá em 1995, a coisa toda tinha um tamanho reduzido, para terem uma ideia a Folha de São Paulo publicou a lista de todos os sites brasileiros e isso ocupou não mais de duas folhas de jornal.

Então, desde que a quantidade de links começou a aumentar, se fez necessário algum tipo de auxílio para as pessoas encontrarem as informações na web. Os primeiros mecanismos de busca nada mais eram do que repositórios manuais de links e pequenos descritivos, feito sempre que possível, por boas almas com espírito altruísta.

E para encontrar alguma coisa você tinha que pesquisar o termo exato do resultado, sob pena de não encontrar. Atualmente você pesquisa algo errado e ainda recebe a correção do termo antes dos resultados esperados.

Mas a coisa pegou fogo, isso já não era mais adequado, a indexação completa dos conteúdos começou a surgir e mecanismos mais sofisticados apareceram (e desapareceram) num piscar de olhos.

As simples buscas e indexações não serviam mais, nem exércitos de humanos treinados conseguiram se manter na disputa. Começaram a surgir os algoritmos sofisticados e suas respostas altamente relevantes…

No começo tudo era Altavista, Infoseek e Cadê?

Vamos por partes, vou tentar sintetizar algumas coisas por ordem cronológica, lembro um pouco desses mais do início, mas com o tempo você vai lembrar da maioria após 1993.

  • 1990 – Archie: Só listava diretórios, não o conteúdo, não tinha espaço disponível para tal!
  • 1991 – Veronica e Jughead: Já indexavam nome de arquivos e títulos do conteúdo do Gopher
  • 1992 – VLib – O mestre Tim Berners Lee disponibiliza no CERN a lista dos webservers de toda a Internet!
  • 1993 – Excite – Um dos primeiros, usei muito, criado em Stanford, foi comprado por US$ 6,5 bilhões em 1999 e vendido em 2001 por US$ 10 milhões.
  • 1993 – Wanderer – Já usava um bot que contava e media o crescimento da Internet. Depois passou a capturar URLs, e eventualmente acessava diversas vezes a mesma URL e causava problemas no link de destino;
  • 1993 – Aliweb – Já permitia que os usuários enviassem suas próprias URLs para serem indexadas, mas as pessoas não sabiam que tinham que fazer isso!
  • 1994 – Infoseek, páginas enviadas eram indexadas em tempo real. Foi o primeiro a ser utilizado no Netscape.
  • 1994 – AltaVista, talvez um dos melhores da época por muito tempo. Não tinha problema de tráfego como os demais da época. Permitia buscas por linguagem natural, queries avançadas, foi vendido posteriormente para a Overture, comprada pelo Yahoo anos mais tarde.
  • 1994 – E|Net Galaxy, já tinha recursos avançados para diferentes tipos de buscas.
  • 1994 – WebCrawler, Primeiro a indexar páginas inteiras, era tão popular que era difícil usar durante o dia. Vendido depois para AOL.
  • Yahoo! Search, Dispensa comentários, um dos melhores diretórios da época, cada URL era curada por humanos, demorava para indexar links submetidos, só começaram a melhorar o mecanismo de busca em 2002. Curiosamente recusaram a oferta de receber em sua estrutura Larry Page e Sergei Brin. Jerry Yang deve chorar todo santo dia lembrando disso.
  • 1994 – Lycos, já apareceu com cerca de 54.000 documentos indexados, em 1996 possuia mais de 60 milhões de documentos, mais que qualquer outro mecanismo da época. Depois se juntou com um portal coreano Daum e posteriormente com o Terra.
  • 1995 – LookSmart, competidor direto do Yahoo!
  • 1996 – Inktomi HotBot, listado no Hotwire, pioneiro no modelo pago, vendido posteriormente ao Yahoo!
  • 1996 – Google, apareceu após o trabalho de mestrado dos senhores Larry e Sergei, apostando no modelo de dar ranking as páginas de acordo com a quantidade de links para elas, o resto é história!
  • 1997 – Ask ou Ask Jeeves, Utilizava muita linguagem natural, editores humanos, mecanismo do DirectHit, posteriormente substituído pelo Teoma.
  • 1998 – MSN, mecanismo da Microsoft, primeiro utilizava engine do Yahoo! posteriormente substituída por uma própria.
  • 1998 – DMOZ, um dos maiores diretórios de links da Internet, comprado posteriormente no mesmo ano pela Netscape, e esta comprada pela AOL por US$ 4,5 bilhões.
  • 1999 – AllTheWeb, interface simples mas cheio de recursos, posteriormente aglutinado no Yahoo!
  • 2000 – GoTo cria o modelo do pay per click, vendida posteriormente para AltaVista e AllTheWeb, ao final para o Yahoo!
  • 2006 – Snap, mecanismo de busca muito sofisticado para o usuário normal.
  • 2006 – LiveSearch, também da Microsoft.
  • 2008 – Cuil, de ex funcionários do Google, em 2009 já tinha indexado 127 bilhões de páginas.
  • 2009 – Bing, mais uma novidade da Microsoft…

Os maiores atualmente

Nos dias de hoje, escrevo isso em 2016, os principais mecanismos de busca em quantidade de consultas são esses da lista abaixo. Veja que alguns deles são grandes pois tem origem em países de grande população e consequentemente acessos, não necessariamente representam os melhores mecanismos de busca da atualidade:

Mecanismos de busca tudo em um

Também conhecidos como meta search engines, combinam diversas fontes de dados, compilei uma lista atualizada deste tipo.

Buscas especializadas

Desde clusterização de resultados até busca de passagens aéreas, informações sobre uma empresa/domínio até menções em redes sociais. Uma pequena amostra de mecanismos muito focados.

Buscas de imagens

Diversos tipos de busca de imagens, desde encontrar uma foto sobre determinado assunto quanto o contrário, você submeter uma foto e verificar por escaneamento e aproximação de resultados se ela já foi utilizada em outros locais.

Busca de artigos escolares e acadêmicos

Sintetizei uma lista genérica de mecanismos sobre assuntos diversos para estudantes, acadêmicos e artigos científicos em geral. Mas os desdobramentos dessa linha de buscadores é extenso!

Busca tipo Perguntas e Respostas

Algumas pessoas preferem fazer suas buscas perguntando em linguagem natural mesmo. Estes aqui trabalham bem neste formato. Faça seus testes.

Deep Web

Ouvi falar que eram especializados na “Deep Web”. Não sei o quão deep eles vão nos resultados. Faça seus testes e me diga.

Então

Para finalizar, se o Google reina supremo com cerca de 63% das buscas da web, é importante ficarmos atentos, pois afinal porque o Google surgiu? Porque tinha demanda por recursos não cobertas pelos outros buscadores na época.

Mas com o passar do tempo é importante darmos atenção as alternativas disponíveis, se fizemos sempre as mesmas buscas no mesmo lugar o resultado tende a ser o mesmo certo?

Faça seus testes e compare os resultados. Grandes surpresas aparecerão! Se gostou comenta aí, se gostou muito compartilha. Se encontrar algum erro me avise.

Gustavo Tagliassuchi

Velha ave de rapina, estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, profundo admirador do WordPress, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto e corredor muito muito amador.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *