Hospedagem otimizada para WordPress

Você verá anúncios de hospedagens otimizadas o tempo todo. Aliás, verá anúncios de artigos sobre “as melhores hospedagens para WordPress” o tempo todo.

Fique ligado, mesmo pesquisando no Google sobre a “melhor empresa de hospedagem para WordPress”, os resultados não são realmente aquilo que deveriam ser.

Então para o usuário normal, fica muito difícil entender que entre os primeiros resultados das buscas não estão realmente as melhores alternativas de hospedagem.

E para piorar, nos artigos mais bem ranqueados nos resultados, o que ocorre é a colocação de links específicos (links de afiliados) para monetização dos respectivos autores.

E tenha certeza que o retorno sobre cada indicação convertida é bem razoável financeiramente falando.

Isso não seria um problema, se a maioria das recomendações não fosse para normalmente os maiores provedores comerciais do mercado, o que não se traduz em melhor qualidade de hospedagem.

O que escrevi aqui é fruto de muitos anos de experiência, muitos testes, acho que neste momento da minha vida já testei centenas de empresas de hospedagem, e gastei muitos milhares de dólares fazendo isso.

Detalhe que sigo fazendo isso, testo provedores aqui no Brasil e no exterior, o tempo todo. Mas porque faço isso? Porque é necessário!

Entenda que em algum momento, independentemente do tamanho, da qualidade, de onde está localizada, toda empresa de hospedagem terá algum tipo de problema, interno, externo, ataque, hackers, brechas de segurança, hardware com mau funcionamento.

Isso é inerente ao serviço de hospedagem. O que faz uma empresa melhor que a outra além da capacidade técnica é como elas vão reagir quando esses problemas acontecerem, e o que vai ocorrer com o que tivermos hospedado dentro delas, as vezes nossos sites, as vezes sites dos nossos clientes, as vezes aplicações que são mais críticas.

15.1 – Como avaliar a sua hospedagem?

Costumo ouvir com alguma frequência, sempre que eu olho meu site ele está funcionando, então minha hospedagem é bem confiável.

Veja, você não pode basear sua avaliação num processo simplista deste tipo. Citei anteriormente, você deve em primeiro lugar monitorar o tempo de uptime do seu site, minuto a minuto.

Você já tem uma lista de ferramentas para este propósito nos capítulos anteriores.

Ao fazer isso, você terá o tempo que o seu site realmente fica no ar, e o tempo médio de resposta ao seu site, ou “ping”. Quanto mais baixo o tempo de resposta melhor.

Também é importante você executar testes periódicos de performance e armazenar estes números, por data, para uma comparação posterior.

Outra questão importante é o suporte técnico, tenha em mente que hospeda lá fora pode dar uma impressão de mais qualidade, melhor oferta de hardware/serviços agregados, mas você vai pagar em dólares ou euros, e ainda, o suporte normalmente é em inglês.

15.2 – O que considerar antes de contratar?

Ao selecionar uma hospedagem compartilhada simplesmente, você poderá não ser informado sobre a quantidade de memória disponível para você (juntamente com todos os seus colegas de servidor), nem mesmo a quantidade de “colegas” que seu site terá no servidor propriamente.

O que seria bom ser cuidado?

  • Velocidade / performance;
  • Confiabilidade / disponibilidade / SLA;
  • Limitações de visitação / pageviews;
  • Especificações técnicas do servidor;
  • Localização física do datacenter;
  • Painel de controle;
  • Escalabilidade;
  • Certificados SSL gratuitos;
  • Backups diários;
  • Restrições específicas de plugins;
  • Histórico / depoimentos;
  • Disponibilidade do suporte técnico;
  • Tráfego;
  • Valor mensal / trimestral / semestral;

Isso por um lado é ruim. Por outro algumas informam esses números a você. Claro que normalmente quanto mais memória disponível melhor.

As versões dos softwares disponíveis, restrições com uso de CRON (se você não tiver muitos acessos), tudo deve ser avaliado.

Desempenho é muito importante, mas não é tudo.

Mas se o seu vizinho consumir tudo para ele (lembre-se, hospedagem compartilhada) poderá não sobrar muito para você. E a menos que a empresa monitore de cima, pode ser difícil verificar esses abusos.

Também é importante ter em mente que utilizar as últimas versões do PHP ajuda muito na performance do seu site blog, esse é um ponto que você deverá cuidar antes de contratar.

Nada menos que PHP 7.4 interessa.

É claro que o preço também é um fator. Hospedagem gratuita nem deveria ser considerado por você.

Mas pense no seguinte, todo o seu sucesso, ou da sua empresa, todo o faturamento depende do seu site/blog. Isso é muito comum.

Você acha realmente correto pagar apenas cerca de R$ 30,00 mensais por toda essa responsabilidade? Quanto custa o seu site fora do ar?

Você precisa pensar nas suas necessidades específicas antes de escolher a hospedagem. Meu site não pode/não deve ficar fora do ar. O custo mensal é um grande problema. Preciso de mais capacidade em determinadas épocas do ano.

15.3 – Alternativas de hospedagem de sites

O que existe hoje, facilmente contratável são hospedagens do tipo compartilhada, dedicada, VPS ou cloud.

  • Compartilhada: é o tipo mais genérico, lento e ineficiente. Mas podemos ter algumas surpresas boas mesmo em compartilhadas de baixo custo.
  • VPS (virtual private server), embora seja eventualmente hospedada em um servidor físico compartilhado, cada site é separado para não compartilhar recursos entre si. Isso lhe dá algum controle adicional.
  • Dedicado: são normalmente os mais caros, além de você ser o “único dono” do servidor, existe a necessidade de manter e gerenciar o mesmo, e se você não for um técnico, esse custo pode aumentar muito.

Alguns provedores tratam de maneira diferente ainda. Você, se tiver apenas um site provavelmente escolherá entre um dos tipos acima.

Senão, caso tenha diversos sites, pode ser interessante escolher alguma coisa como hospedagem revenda (reseller hosting), baseada nas mesmas características acima.

Se estiver com problemas de hospedagem, recomendo começar por alguma coisa simples, mas relativamente robusta. Vou sugerir nomes em seguida.

Hospedagem gerenciadas são sempre melhores (para quem utiliza), mas custam mais. Existe uma equipe olhando o seu servidor para você.

Serviços redundantes, mais instâncias de PHP ou de banco de dados, tudo vai acrescentando custos adicionais e complexidade no gerenciamento.

15.4 – Hospedando o WordPress no Google

Sim, você pode fazer isso, de algumas formas diferentes. Se for fazer isso diretamente, recomendo que utilize uma empresa que utilize a infraestrutura do Google.

Fazer isso por conta própria vai lhe consumir tempo precioso que você deixará de dedicar ao que interessa, seu negócio/site/blog.

Recomendo que se quiser escalar um degrau na escada consulte o fantástico serviço da Kinsta, sobre a infra do Google. Ou utilize algo como o ServerPilot.

15.5 – Hospedando na Amazon

Na Amazon da mesma forma, excelente infraestrutura, você provavelmente terá boa performance, mas a menos que deseje fazer isso diretamente, recomendo que utilize uma empresa especializada, como a Kinsta é para o Google.

De outra forma você terá que desprender algum esforço para configurar, fazer funcionar e controlar seus custos utilizando algo sofisticado como a Amazon.

A Amazon tem uma complexidade adicional que você deveria deixar para os especialistas, contratando o serviço deles através de intermediários, como o ServerPilot.

15.6 – O que evitar na hospedagem do WordPress

Soluções mágicas, para pessoas com menos conhecimento técnico, tendem a ser armadilhas ou bombas relógio.

Evite contratar a hospedagem em bases semestrais e anuais de imediato. O valor pode ser em conta, mas se precisar trocar antes disso não vai ter desembolsado tudo já.

Verifique a possibilidade de evoluir posteriormente caso tenha se acertado com a empresa.

Cuidado durante a contratação com os “add-ons” e penduricalhos adicionais fornecidos eventualmente. Leia tudo com atenção.

Poderia simplesmente recomendar a você que utilizasse a Digital Ocean ou Vultr, contratando um bom servidor de US$ 10,00 e um serviço de gerenciamento externo como o ServerPilot, RunCloud ou outro similar.

Sim isso pode funcionar, mas não acho que você deva ir por este caminho neste momento.

Deixe a hospedagem para quem conhece hospedagem. Pense nisso talvez para o futuro com mais conhecimento técnico.

15.7 – Migração de hospedagem

A migração eventualmente é feita pela nova empresa contratada, algumas oferecem este serviço como uma cortesia.

Se estiver começando do zero será mais fácil, será apenas uma instalação.

Se você for fazer a sua migração tenha em mente que não deve apenas copiar todos os arquivos via FTP, baixar o dump banco de dados no PHPMyAdmin, copiar tudo para o novo servidor, alterar o wp-config.php manualmente e já era.

Nem sempre vai funcionar. Prefira ou utilizar algum plugin para este fim. Eu utilizei centenas de vezes o UpDraft Plus, até na versão gratuita ou o Duplicator.

Você consegue realizar um backup externo (na nuvem), criar a conta nova, apontar o domínio, esperar as coisas funcionarem, instalar o WordPress do zero, e realizar a recuperação do backup com todos os procedimentos necessários.

Mais demorado? Sim, mas mais garantido. Fique atento à migração.

Se você utilizar uma CDN como o CloudFlare, esse período de migração do DNS pode ser relativamente mínimo.

15.8 – Monitoramento e gerenciamento de hospedagem

De novo? Sim, monitore com os meios que tiver, já citei algumas vezes as ferramentas necessárias.

Monitorar o uptime com alguma delas e utilizar alguma ferramenta como o ManageWP seria legal para você.

Se puder utilizar uma ferramenta para o gerenciamento externo, controle de atualizações, também o faça.

Você será alertado sempre que precisar tomar alguma ação para manter as coisas atualizadas e funcionando, normalmente antes dos problemas acontecerem.

15.9 – Dicas para hospedagem WordPress

Se o seu provedor demora para dar suporte, o problema é sempre no seu site, nunca na infra deles, desconfie.

Se a resolução de todos os problemas passar sempre somente por atualizações de planos e valores de serviços extras, fique ligado.

A culpa pode ser sua e dos seus plugins, mas é preciso investigar.

Prefira registrar seus domínios diretamente no registrar, preferencialmente no Registro.br, Google Domains ou Name Cheap, nunca vinculado à empresa de hospedagem.

A hospedagem “ilimitada” normalmente esconde limitações, principalmente no consumo de recursos.

As hospedagens mais sofisticadas, como Kinsta, eventualmente atualizarão o core do seu WordPress, os plugins, lhe oferecerão segurança no nível do servidor, farão monitoramento ativo do seu site, a um valor mais elevado, mas liberando você de controlar este tipo de coisa, pense nisso.

15.10 – Fique preparado com sua hospedagem

Escrevi um monte de coisas e você estava mesmo esperando o logotipo e o nome das empresas.

Lembre-se que eventualmente você pode ter um pico inesperado de acessos, isso pode ser facilmente absorvido pela infraestrutura da empresa de hospedagem ou não, pode tirar seu site do ar por consumo excessivo de recursos.

Bem, neste momento, e este curso online me permitirá alterar isso no futuro sempre que necessário, recomendo que você utilize pela ordem, iniciante, intermediário e avançado, ou por ordem de investimento mensal, as seguintes alternativas.

  • SiteGround.com
  • BigScoots.com
  • Kinsta.com

Veja que que elas podem não servir imediatamente a você caso tenha algumas características ou requisitos diferentes.

Importante lembrar que eu normalmente utilizo serviço de e-mail externo do G Suite, então nunca utilizo os serviços de e-mail oferecido pela empresa de hospedagem, e algumas como a Kinsta nem o fazem!

Então observe atentamente suas demandas antes de optar por uma ou outra empresa de hospedagem.

Imagem padrão
Gustavo Tagliassuchi
Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS. Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total). Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil afora Mais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa. Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos. Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você. Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.
Artigos: 556

Deixar uma resposta

Translate »