Gustavo Tagliassuchi
Estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, admirador do WordPress, co-organizador dos Meetups de WordPress em Porto Alegre, organizador do WordCamp Porto Alegre 2019 e co-organizador em 2018 e 2017, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto, corredor muito muito amador e sócio da Agência Dupla.

Como construir sua base de e-mails

Sabe como construir sua base de e-mails? Em linhas gerais começaremos a discutir basicamente:

Captação de e-mails

Você tem um site/blog e quer coletar e-mails, é só colocar um pequeno formulário integrado com a ferramenta de envio, certo? Errado, não é mais! Você precisa ativar double opt-in. Existem entidades e ferramentas que injetam e-mails (spamtraps) aleatoriamente na web, em qualquer site, em qualquer formulário. Até um concorrente mal-intencionado pode fazer isso no seu site e prejudicar você.

Então a única maneira de certificar que o destinatário quer receber mesmo é através do double opt-in. Ainda, você pode e deve utilizar as redes sociais para capturar novos e-mails (via double opt-in). Ofereça algo em troca, mas respeite quem entrar só pela vantagem e sair em seguida.

E para os que pensam que o simples opt-in garante muito mais “entrantes” na base, e utilizam este argumento para não fazer double opt-in, saibam que ele proporciona aumento de até 72% na taxa de abertura e um aumento de até 114% nos cliques quando comparados aos que fizeram single opt-in, então não tem desculpa.

Coleta de e-mails

Entendemos que você pode exportar dados de seu sistema e importar na sua ferramenta de envio. Não recomendamos, mas se o fizer, envie um e-mail pela primeira vez, solicitando a autorização para seguir a partir daí o envio de e-mails para o usuário. Lembre-se que ele pode ter ido na sua loja, ter feito um curso com você ou mesmo lhe comprado um carro, mas de fato se não foi lhe perguntado diretamente se gostaria de receber e-mails seus, ele pode não lembrar, não gostar e denunciar.

A lista é grande, pode gerar vendas, são clientes ativos. Ok, mas faça direito, pergunte primeiro, faça outras campanhas solicitando cadastramento, ofereça brindes. Ainda, se o cadastro não ficar sincronizado no seu sistema e na ferramenta de envio, como você vai gerenciar o opt-out? Mais um motivo para centralizar tudo na ferramenta.

Enriquecimento de dados dos usuários

Se você tem um CRM ou alguma coisa no seu sistema que lhe permita segmentar grupos de clientes (e seus e-mails) faça isso, envie e-mails relevantes e direcionados, o resultado tende a ser melhor. E se não tiver, utilize os recursos da ferramenta, faça ela trabalhar por você. Em pouco tempo você vai descobrir muito sobre interesses dos seus clientes.

Manutenção da base, nunca termina

Se ninguém contou o segredo vamos lhe contar agora. E-mail tem ciclo de vida, nasce, cresce, envelhece e morre. E depois que morre ainda pode virar spamtrap. Quando isso acontece, ele não deveria estar mais na sua base de envio. Somente mantendo e facilitando a manutenção e atualização dos dados dos seus usuários o problema pode ser minimizado.

Ainda, quanto tempo vive um e-mail? Bem, se sua base tem mais de 6 meses, então é muito provável que ela já esteja velha e com alguns spamtraps. Faça um procedimento de atualização. Não aceite e-mails funcionais (contato@ diretoria@ atendimento@ webmaster@) pois são e-mails normalmente de grupos de pessoas, de locais onde as pessoas podem mudar, e as novas – que nunca se cadastraram para receber nada – começam a receber suas peças, e se ela nunca pediu, você sabe, vira spam, denúncia e bloqueio.

A taxa de envelhecimento de uma base corporativa fica na ordem de 25% ao ano. Esse percentual se refere a pessoas que trocam e-mails, mudam de emprego, etc. Então campanhas periódicas de reengajamento são necessárias.

Conheça a sua audiência

Se você adquiriu uma base, como vai ter certeza que ela tem interesse no seu produto/serviço/assunto? A resposta é: Não vai! Não é seu público, não é sua audiência e nem é sua base. Você vai conseguir sim é gerar insatisfação e denúncias de spam. Não tente este atalho.

Quando estiver tratando com sua base, seja relevante, vá direto ao ponto, entregue valor, mantenha os textos curtos (coloque o conteúdo completo no seu site/blog), use os dados coletados após o envio para melhorar o seu conhecimento. Lembre-se ainda que a base é sua! Não existe emprestar a base ou fazer “envio de parceiro”. Cada um envia para sua base, não caia na tentação.

Photo credit: Infusionsoft / Foter / CC BY-SA

Share

Gustavo Tagliassuchi

Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS. Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total). Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil afora Mais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa. Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos. Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você. Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *