Otimização e performance no WordPress

A otimização do WordPress é um fator fundamental para o seu sucesso, sucesso do seu site ou blog.

Além disso estudos indicam que de 2000 a 2016 a taxa de atenção humana caiu de 12 segundos para 7 segundos.

Logo, temos menos tempo para mostrar alguma coisa ao usuário antes que ele decida ir embora.

Tenha em mente que a otimização (ou a falta dela) afeta diretamente a experiência do usuário, cria uma sensação de problemas ocorrendo, e afeta diretamente algumas métricas de mecanismos de buscas, como o Google.

Isto é, seu site está lento, seu usuário vai embora e você ainda é penalizado nos resultados das buscas.

Então otimizar faz parte das suas atribuições recorrentes! Veja, o site não precisa carregar em menos de 1 segundo. Isso é até utópico se formos analisar adequadamente.

Mas pelo menos se esforce em otimizar o que estiver ao seu alcance inicialmente, oferecendo o máximo de performance com os recursos que tiver disponível.

Cuide com recursos externos sendo carregados. Pense que se por algum motivo o tempo de carregamento deste site estiver lento, esse tempo vai ser acrescentado ao tempo de carregamento do seu site.

Esses recursos externos (nem sempre somente fontes) funcionam assim, tudo o que puder ser carregado a partir do seu próprio site lhe dará mais controle sobre otimizações que puder fazer.

Até o Google Analytics ou outras ferramentas como a Navegg impactam muito o tempo de carregamento do seu site.

13.1 – Métricas a observar

Existem muitas métricas, você vai poder testar todas se quiser.

Mas o ponto é que se o seu site levar mais de 3 segundos para carregar, até 40% dos usuários podem abandonar o mesmo. Para cada 1 segundo adicional ainda podemos acrescentar 7% menos usuários;

Significa que de cada 10 que acessam, cerca de 4 nem vão ver o site carregar.

Existem métricas como TTFB (time to first byte), que é o tempo que o primeiro byte de informações leva sair do seu site e para chegar no navegador do usuário, depois que a conexão foi solicitada.

Otimizar o TTFB inclui otimizar o código, implementar um cache, ajustar detalhadamente o software do servidor web e outras coisas piores.

Já o Google gosta da métrica FP (first painting) que é o tempo que leva até o navegador desenhar o primeiro ponto/pixels de conteúdo na tela do usuário.

Isso é importante porque é o tempo que mostra ao usuário quando alguma coisa de fato está acontecendo na tela, que algo realmente está sendo carregado.

E seguindo, poderia falar de algumas dezenas de métricas a mais, não vou fazer isso, vou passar para o próximo passo.

As métricas adicionais você verá, se quiser, nos detalhes das ferramentas que vou sugerir.

Mas é importante observarmos inicialmente o seguinte:

  • PageSpeed Score (ei, é um score apenas ok?)
  • YSlow Score (é outro score que o Yahoo criou para nós)
  • Tempo de carregamento da página (é um bom número)
  • Tamanho total da página (entenda que o tamanho médio total de uma página na web hoje é de 1,7Mb no desktop e 1,5Mb no mobile, o que não significa que isso seja uma coisa boa)
  • Quantidade de requisições HTTP (sempre bom otimizar)

Só isso? Não, mas você precisa começar por algum lugar, certo?

A maioria das ferramentas ainda fornece lista de arquivos problemáticos, lista de sugestões de otimizações, lista de imagens que poderiam ser otimizadas.

Mas entenda, não vamos sair do 50% para o 100% absoluto nas melhorias, você precisa ver como as coisas estão, melhorar o que for possível, utilizar as ferramentas que puder, para subir um degrau.

A ideia aqui é melhorar, não é utopia, nunca vai ficar perfeito!

A melhoria é contínua e o conhecimento mais aprofundado lhe ajudarão no futuro próximo a seguir neste caminho.

Entenda que testar e analisar os números de performance é tão importante quando olhar o seu Analytics. Você deverá fazer isso periodicamente.

Outra coisa, não vá testar o seu site em horário comercial e com pessoas acessando ok?

Vá fazer o trabalho pesado fora do horário de humanos normais, não estrague ou piore a experiência que seus usuários têm hoje, mesmo ela não estando ótima!

13.2 – O que otimizar no WordPress?

Existem dezenas de pontos (ou centenas!), mas vou sugerir alguns para você pelo menos saber que eles existem.

Sei que no começou vai ser difícil controlar isso tudo, mas você tem que ao menos saber o que a maioria faz ou impacta no seu site ou blog.

Mas não adianta pensar em otimizar a performance do seu site ou blog se ele nem tem o https:// configurado, ou se você nunca otimizou os seus conteúdos com pelo menos o básico de SEO.

Vamos pela ordem! A otimização é importante e deve ser sempre feita, com cuidado.

Muita coisa muda, muita coisa é dita por aí, algoritmos de mecanismos de buscas são alterados com muita frequência.

Então sejamos honestos com nós mesmos, vamos começar a otimizar.

Otimizar o Admin

O admin mesmo sendo normalmente uma área exclusiva para você, também poderá sofrer com a performance.

Como você vai atualizar o site/blog se o admin está lento?

Alguns problemas comuns:

  • Tenha certeza que a hospedagem não tem limite na largura de banda, pergunte à empresa de hospedagem;
  • Veja a quantidade de memória disponível para seu site e seu PHP;
  • Tenha certeza que a lentidão afeta apenas o painel e não o site inteiro;
  • Tenha certeza que o plugin de cache ou a CDN não estão ativados para o wp-admin;
  • Heartbeat API, pode estar consumindo recursos demais, pode ser alterada a frequência de consulta ou mesmo desabilitada;
  • Versão do PHP;
  • Widgets e plugins, você pode investigar com o Query Monitor;
  • Se você atualizou alguma coisa recentemente no WordPress vá descobrir se outros usuários não estão enfrentando problema semelhante;
  • Desative todos os plugins, veja se a lentidão desaparece, e vá testando um por um (você pode fazer isso renomeando a pasta por FTP)
  • Se estiver utilizando o Woo Commerce pode ser necessário otimizar o banco de dados;
  • Pode ser o tema, investigue, alterando ou desativando;

Eventualmente você precisará otimizar o banco de dados do seu site/blog, para inclusive melhorar a performance da área administrativa.

Otimizar o Cache

Aqui temos algumas considerações importantes. Se você é mais antigo na web saberá melhor a importância do cache no passado, local temporário de armazenamento de arquivos, com objetivo de evitar novo carregamento, e consequentemente entregar o mesmo conteúdo mais rapidamente.

Isso era fundamental em tempos de Internet discada.

Mas mesmo hoje, ainda é um recurso importante. O cache do navegador por exemplo, local, na máquina do usuário, mantém arquivos pelo tempo que estiver configurado para manter.

Você pode sugerir este número para o navegador quando ele carregar o seu site. Um número como 30 dias é uma boa prática.

Vai proporcionar que parte dos arquivos (se forem os mesmos) não precise ser carregada lá do servidor do seu site se o usuário já o visitou e os tiver localmente.

Existem diversos plugins para criação e otimização de cache no seu WordPress. E alguns são muito complexos de se configurar.

Você pode começar com alguns plugins gratuitos que estão tendo relativo sucesso como o WP Fastest Cache e o WP Super Cache.

Se quiser escalar um degrau, integrar facilmente ao CloudFlare por exemplo, recomendo que você comece testando o WP Rocket, mas ele não é gratuito.

Ainda, caso seu web server seja o Litespeed, você pode se beneficiar de facilidades com o plugin próprio deles.

Otimizar a CDN

Já com relação à CDN, existem algumas hospedagens que oferecem opção integrada. Você precisa verificar onde a CDN tem sua localização mundo afora.

Eu por exemplo utilizo em todos meus sites, blogs, inclusive de clientes a CloudFlare. A maioria ainda na versão gratuita. Ainda existe um plugin para a CloudFlare, caso não tenha suporte no seu plugin de cache.

A CloudFlare é uma CDN (contente delivery network), funciona como a maioria delas, ou seja, copia os arquivos do seu site e entrega ao usuário que o acessa no local mais próximo onde ele estiver.

Então imagine o seu site hospedado em qualquer lugar, por exemplo nos EUA, e os arquivos estáticos sendo entregues muito perto do usuário aqui no Brasil por exemplo?

Para você ter uma ideia eu moro em Porto Alegre, RS, bem ao sul do Brasil, e aqui existe um servidor da própria CloudFlare!

A performance melhora muito. Além disso a CloudFlare também tem um DNS otimizado, e recursos anti-DDOS e outros mais sofisticados, alguns protegem a sua hospedagem, pois ninguém saberá onde seu site está localizado, só terão a visão do DNS da CloudFlare.

Então é um recurso que você deve considerar. Poderá ser necessário ver se a sua hospedagem tem alguma limitação com relação a isso. Sei que alguns provedores brasileiros têm essa limitação.

Versões pagas da CloudFlare e outras CDN ainda podem oferecer firewall e DNS com alta performance!

Otimizar o banco de dados

Não iria me ater a otimização do banco de dados, evoluímos muito nos últimos anos, mais espaço, versões mais robustas dos BDs (Percona, Maria DB ao invés de MySQL), servidores exclusivos e com maior performance, discos SSD e por aí vai.

Porém é importante lembrar que o WordPress utiliza diversas tabelas, algumas delas poderão necessitar de otimizações frequentes.

Mas antes que você pense em fazer isso manualmente, algumas das ferramentas sugeridas, de cache inclusive, oferecem bons recursos neste sentido.

A não otimização de tabelas pode gerar um site mais lento, e uma área administrativa mais lenta.

Plugins mau programados também podem causar problemas de uso excessivo de banco de dados.

Otimizar compressão gZip

Alguns servidores web permitem que a compressão gZip seja ativada diretamente no servidor.

Isso significa que muitos arquivos serão compactados antes do envio, sendo descompactados pelo navegador do usuário localmente.

Se souber, pode ativar este recurso, normalmente via painel de controle como o cPanel, Plesk ou outro proprietário.

Mas, isso poderá ser feito a partir do plugin de cache ok, ou eventualmente via CDN?

Otimizar DNS

O DNS em linhas gerais aponta o nome do domínio para o endereço IP ao qual ele pertence.

O DNS embora normalmente nunca considerado, também é um fator importante na performance dos sites.

Para você ter uma ideia, se uma pesquisa de DNS leva 1 segundo para ser processada, este tempo já é 10X maior do que o recomendado pelo Google como boa prática.

Em geral uma consulta levando em torno de 40ms já é um tempo aceitável.

Entendo que você registrará um domínio a partir do Registro.br ou se outro registrar, como por exemplo o Google ou Name Cheap.

Então prefira ter o controle destes com você, evite registrar diretamente com a empresa de hospedagem.

No futuro quando seu site estiver maior pode ser importante utilizar um serviço privado de DNS, por hora apenas cuide onde o domínio estará registrado.

Otimizar fontes

Muito comum atualmente carregarmos arquivos de fontes de locais externos como as Google Web Fonts.

Otimizar o carregamento delas, talvez localmente, é uma boa prática. Você pode fazer isso manualmente ou utilizar um plugin como o Easy Google Fonts.

Hospedagem otimizada

A hospedagem é o ponto mais importante (depois de você decidir criar um site ou blog). Ela vai criar (ou lhe poupar) horas de problemas, inclusive com segurança e otimizações.

Não que você tenha que começar com um VPS ou servidor dedicado. Mas observe empresas como BigScoots, WP Engine e Kinsta.

Eu sei que no começo os custos importam mais, mas tente escolher uma hospedagem de melhor qualidade, avalie, veja as opiniões dos usuários.

Hospedagem muito barata normalmente esconde outros problemas. Gratuita você nem deveria considerar.

Outro ponto fundamental é que algumas hospedagens mais sofisticadas e caras, oferecem diretamente no servidor, recursos de segurança que você teria que implementar através de plugins e por esforço próprio.

Esse tipo de coisa normalmente tem impacto na performance, tudo o que for que você puder remover da sua própria instalação e contar com o fornecedor normalmente vai se traduzir em performance.

Ainda, incrivelmente, utilizar o PHP na versão 7.2 ou 7.3 pelo menos é importante para a performance. Observe isso.

Utilizar web servers modernos e HTTP/2 também são pontos importantes quando falamos de performance.

Descubra aqui se você utiliza no seu site e cobre isso da sua empresa de hospedagem.

Se for mudar a versão verifique se o site/blog não vai ter problemas de incompatibilidade com plugins não atualizados.

Eventualmente você não precisará migrar de hospedagem, considere apenas melhorar o seu plano, alocar mais memória exclusiva, ativar serviços adicionais como Varnish, OpCache e Memcached.

Otimizar imagens

A otimização de imagens é uma das mais importantes a serem feitas, talvez a que você possa fazer de maneira mais simples inclusive.

Muita gente trata o blog/site como um repositório de arquivos, enviando suas imagens na máxima qualidade possível, isso é um erro.

Recomendo que suas imagens nunca deveriam passar de 2.000 pixels de largura.

Isso pode ser feito ao abrir a imagem em um programa de edição de imagens, verificar o tamanho dela, redimensionar e salvar (com outro nome, mantenha seus originais intactos) e utilizar a mesma.

Aproveite e aumente um pouco a compressão, se estivermos falando de um JPG, 80% pelo menos de qualidade deve ser suficiente para diminuir muito o tamanho do arquivo final, e diminuir o tempo de carregamento da página que conterá o arquivo.

Aproveite para salvar com um nome que faça diferença, como por exemplo referente ao conteúdo da mesma.

Ou, se preferir, pode utilizar um site para este fim como o TinyJPG ou TinyPNG.

Porém como você já sabe, ao enviar uma imagem para o WordPress, ele vai criar versões dela em diferentes tamanhos, para usos específicos, miniaturas, outras posições de destaque do seu tema, entre outros.

Neste momento as coisas parecem fugir um pouco do controle, não é mais você que pilota esse processo. E baixar as imagens para otimizar as mesmas é de fato chato.

Utilize então um plugin específico para este fim. Eu comecei com a versão gratuita de diversos plugins, e recomendo hoje que você utilize o Imagify. Comece com a versão gratuita.

Existem outros, muitos outros plugins de otimização de imagens como o Kraken ou Smush.

Caso você tenha uma página inicial muito extensa, que carrega muitas imagens, pode otimizar a partir de um recurso de Lazy Loading, que nada mais é do que carregar posteriormente as imagens que ainda não estão visíveis aos olhos do usuário, ou o que ainda está para baixo da página, dentro da janela do navegador, será carregado conforme o usuário chegar a tal conteúdo.

Esse tipo de recurso pode auxiliar e muito o tempo inicial de carregamento e a experiência. Mas prefira reduzir o tamanho da página inicial diminuindo a quantidade de posts exibidos na mesma.

Importante que plugins pagos oferecem otimização adicional, otimização de imagens do tema, e backup das imagens originais.

Cuide para que isso não interfira no backup periódico do seu site/blog.

As imagens podem ser configuradas para não excederem uma largura máxima (mesmo as originais seriam redimensionadas), como por exemplo 2000 pixels.

Dependendo do plugin utilizado você já terá disponível suporte (ou até conversão automática) para o formato WebP.

Otimizar JavaScript / CSS

Embora sejam coisas distintas, você poderia otimizar ambos utilizando as mesmas técnicas, minificação e compressão.

Adicionando headers com expiração, cacheando estes arquivos, movendo para o rodapé a chamada aos mesmos etc.

Recursos com render blocking podem ser movidos também, com cuidado, sem afetar o visual do seu site para seus visitantes.

Remoção de query strings, ou aquilo que aparece depois do “?” é uma boa prática para otimização destes arquivos, facilitando a vida dos proxys e CDNs.

Isso é uma coisa mais complexa, vamos falar sobre isso novamente dentro de cache e CDN.

Outro recurso utilizado aqui é a combinação de requisições destes arquivos. O resultado pode ser uma drástica melhoria de performance.

Página principal

É a página de entrada, é onde a maioria vai acessar, a maior parte dos testes de performance, dos mecanismos de buscas, então era é o foco principal das suas otimizações.

Cuide dela com o respeito e responsabilidade. Não coloque nada que não seja estritamente necessário nesta página.

Principalmente recursos que dependam de terceiros, como por exemplo um widget da sua rede social Facebook, ou mesmo os scripts para rodar um vídeo do YouTube.

Ainda, a versão mobile do site e a versão AMP do mesmo devem estar otimizadas também.

Plugins

Embora muita gente diga que quanto mais plugins mais lento e pesado seu site ficará, isso não é 100% verdadeiro.

Mas sim, uma boa prática, elimine plugins que não estiverem em uso. Se tiver um plugin que unifique as funcionalidades de 2 ou mais plugins, tente utilizar.

E se quiser ter certeza, pode desativar os plugins, fazer um teste com eles desativados, e depois reativar.

A ferramenta de testes vai mostrar a diferença, mesmo que o site fique temporariamente desfigurado pela falta de um dos plugins desativados.

Comentários e SPAM

Ponto importante não deixar páginas com comentários ativados, e nem posts com comentários facilmente injetáveis, inclusive com bots.

Isso ajuda a piorar a situação. Configurar o Akismet, ativar alguma proteção como o Google reCaptcha já ajudam muito.

Mas mantenha os comentários sob controle, responda, classifique, apague.

Otimizacao de temas

Temas são fatores importantes na performance de um blog/site.

Tem que ser bem codificado, bem estruturado, utilizar um framework apropriado e atualizado, e plugins de qualidade.

Sempre verifique um tema (você pode testar ele na área de testes do desenvolvedor com as ferramentas de testes inclusive), prefira os que lhe ajudarem na missão de manter as coisas otimizadas.

Importante, otimize as imagens específicas do tema, mesmo que tenha que fazer isso a mão!

Sempre que alterar temas poderá ser necessário gerar novamente todos os thumbnails do site com algum plugin como o Regenerate Thumbnails e posteriormente otimizar novamente as imagens.

Mantenha apenas o tema que estiver utilizando, e seu tema filho, os demais você deve eliminar.

Otimização do WooCommerce

Se você utiliza o WooCommerce adicionalmente ao seu WordPress, deveria se preocupar com pontos adicionais de otimização.

  • Manter plugins específicos atualizados é uma delas;
  • Remover contagem de pedidos do menu admin;
  • Desabilitar widgets do painel que não utiliza;
  • Manter o PHP atualizado;
  • Otimizar o banco de dados;

13.3 – Antes de lançar o site

Se este for o seu caso, você pode otimizar algumas coisas mais facilmente antes de lançar o seu site/blog.

  • É claro que você tem backup externo certo?
  • Observe como ele vai se comportar em todos os dispositivos;
  • Otimize tudo o que for possível, imagens, códigos;
  • Cuide dos textos;
  • Atualize tudo;
  • Otimize SEO;
  • Teste a velocidade;
  • Teste links quebrados;
  • Cuide com os redirecionamentos, principalmente de http para https;

Mesmo que o site esteja levando mais de 3 segundos para o carregamento não se apavore.

Faça testes, otimize, olhe como ficou.

Lembre-se, otimização ajuda SEO, conversão e no final vendas!

13.4 – Mantendo o site otimizado

É um trabalho que nunca termina! Mas se utilizar algumas ferramentas poderá facilitar a sua vida e a manutenção da performance.

Pense que o trabalho tem que ser feito, cabe a você criar um método para manter as coisas sob controle.

Periodicamente otimize tudo novamente ou pelo menos revise.

Depois da primeira otimização, a mais profunda, você vai ter conhecimento para fazer isso.

13.5 – Mitos de otimização de WordPress

Não existe site que não possa ser otimizado. Alguns darão mais trabalho, outros menos.

Sua hospedagem, suas imagens, quantidade de plugins, scripts externos, seu tema, todos são pontos que podem afetar a performance em geral.

Ah, mas meu site não tem muitos acessos, então não preciso me preocupar com otimização e performance. Será que não é essa uma das causas?

13.6 – Monitoramento de WordPress

Muita gente acha que acessar a URL do próprio site vai dizer se ele está no ar ou não. Isso não é 100% verdadeiro.

Já pensou que o site pode estar inacessível apenas para você neste momento?

Sua empresa de link de Internet pode estar passando por alguma instabilidade? A rota que você está utilizando para chegar de onde você está até o seu site está congestionada demais?

Facilmente você poderia utilizar um serviço gratuito como o Is it down? Que aparenta ser uma alternativa fácil para saber a partir de diversas origens se o seu site/blog está fora do ar.

Porém você precisa monitorar mais a fundo. Prefira um serviço melhor como o Monitive, o FreshPing, ou o Uptime Robot. Sim existem muitos outros, a maioria é pago e muito bem pago.

Entenda como uma boa prática monitorar o seu site a cada minuto, pelo link completo e com o https:// pois este monitoramento pode informar inclusive se o próprio certificado tiver algum problema.

E é claro ser avisado quando um problema ocorrer, por e-mail, SMS, aplicativo ou outro meio.

Porque se você vai ser penalizado pelos mecanismos de buscas e pelos usuários se o seu site estiver fora do ar, então quando for avisado corra para ver o que está acontecendo.

A primeira checagem deve ser feita junto ao provedor de hospedagem. Se ele for bom, já deve ter uma área de status informando eventuais problemas que estão ocorrendo na infraestrutura deles.

13.7 – Ferramentas úteis para WordPress

Comece testando com as ferramentas mais práticas, como o GT Metrix (crie uma conta lá), Pingdom, Web Page Test, IsItWP e Google Page Speed Insights.

O ideal é você fazer um teste antes de cada otimização, cuidando alguns passos importantes.

Digamos que você já tenha CDN funcionando ou algum plugin de cache instalado, deveria fazer algo neste formato, para seus testes:

  1. Executar a alteração
  2. Limpar arquivos do cache (pelo próprio plugin)
  3. Limpar arquivos da CDN (pelo plugin ou painel da CDN)
  4. Acessar o seu site pelo navegador do desktop e no mobile (pela rede da operadora)
  5. Executar os testes (selecionando preferencialmente um local tipo São Paulo para a origem dos testes, ou o mais próximo dos seus usuários)

E ficar repetindo estes passos a cada mudança que fizer, anotando os resultados e olhando na tela se nenhua otimização vai lhe causar problemas.

Cache das operadoras são mais demorados em atualizar, cuide com isso.

Para testar versões diferentes do seu site tente o Am I responsive?

Boa parte das ferramentas gera relatório. Baixe os mesmos, faça consultas, reveja os pontos com problemas.

13.8 – Dicas e erros comuns no WordPress

Você precisa dar atenção a estes pontos acima. Esses dados coletados de melhoria devem ser cruzados com dados como do Analytics.

  • Não considerar que otimização é importante é um erro. Também não levar em conta o “mobile first” do Google, otimização tem que valer para todas as versões do seu site/blog;
  • Dê atenção especial para as informações do Google Search Console, observe e corrija caso encontre algum erro. Eventualmente ele vai pontuar itens que não são fáceis de consertar ou que você nem tem como fazer;
  • Problemas de segurança podem levar a problemas de performance;
  • E eventualmente você não conseguirá dar esse passo, pode ser mais complexo. Considere alguma ajuda profissional se puder;
  • Estabeleça um método, fique atento, teste, altere, refaça e repita!
  • Considere otimizar o SEO do seu site/blog também;
  • Eventualmente você precisará consultar os logs de erros da sua hospedagem, a fim de verificar se alguma coisa adicional está acontecendo;
  • Ei, estou fazendo tudo o que foi sugerido e nada adianta… Pode ser um grande indicativo que chegou a hora de migrar a hospedagem para outro local;
  • Você poderá ir mais a fundo, carregar scripts e plugins apenas em páginas que forem realmente necessários;
  • Cuidado com o que o site carrega a partir de terceiros, Google Analytics, Crazy Egg, Hotjar, Navegg, Jetpack, Facebook, Disqus, SumoMe, HelloBar são grandes vilões;

Não adianta você otimizar tudo o que foi dito acima, e entupir o seu site/blog com 5 redes de anúncios diferentes, cada uma com um gigantesco script carregado externamente, não vai existir otimização que resolva 5 âncoras puxando o barco, uma para cada lado!

Gustavo Tagliassuchi
Imagem padrão
Gustavo Tagliassuchi
Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS. Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total). Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil afora Mais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa. Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos. Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você. Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.
Artigos: 549

Deixar uma resposta

Translate »