Gustavo Tagliassuchi
Estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, admirador do WordPress, co-organizador dos Meetups de WordPress em Porto Alegre, organizador do WordCamp Porto Alegre 2019 e co-organizador em 2018 e 2017, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto, corredor muito muito amador e sócio da Agência Dupla.

Internet: quando os pequenos concorrem com os grandes

O Brasil possuía 150 mil domínios de internet registrados em 2000. Porém, até janeiro do ano passado, este número deu um salto para mais de um milhão de domínios. Tamanho crescimento foi estimulado principalmente pelo uso do site como ferramenta de vendas e de comunicação institucional das empresas. Ter um canal aberto com o público, seja para vendas, seja para relacionamento, abre portas para o empresário, e quem estiver de fora deste esquema do século 21 poderá perder tempo e dinheiro.

O assessor econômico da Fecomércio-RS, Carlos Cardoso, lembra que a internet fez com que a concorrência deixasse de ser física, ou seja, se antes um loja concorria apenas com uma outra da mesma cidade ou Estado, agora isso mudou, dando chances bastante equalizadas para pequenas lojas do varejo brigarem com as grandes redes. “O que diferencia uma loja da outra fica por conta da qualidade do site e, principalmente, da usabilidade do portal”, avalia. A usabilidade se refere à facilidade de uso, sendo assim, não adianta a empresa oferecer um canal de vendas se o usuário não sabe como proceder para realizar a compra ou então por alguma razão fica descontente com o serviço.

O economista acredita que as empresas deveriam investir numa consultoria para realizar a criação do site. “O custo de criação e manutenção pode ser encarado como um investimento que recupera facilmente o seu valor. Isso se dá por meio das vendas ou até mesmo da melhora de relacionamento entre instituição e público”, sinaliza Cardoso, que ainda alerta que nos dias de hoje ter um bom site é mais do que uma necessidade – é uma exigência.

Conforme explica o diretor da empresa Agência de Internet, empresa de gestão digital de negócios, Gustavo Tagliassuchi, a busca de lojas de pequeno porte pela criação ou reestruturação de sites tem sido grande. “E esse trabalho precisa ser feito de forma bastante detalhada, conhecendo bem o público-alvo da empresa, os produtos e a forma de trabalho. Além disso, na hora de vendas on-line, muito mais do que criar um site, o empresário precisa estar ciente de que questões de logística e atendimento são fundamentais para o sucesso”, considera.

Ele ainda conta que as pequenas lojas que usam a internet como um canal de vendas e contato com o cliente passam mesmo a concorrer diretamente com grandes redes de lojas, obtendo assim retorno institucional e financeiro. “Muito querem apenas criar um site, mas conforme o tempo passa, os e-mails enviados e pedidos que surgem naturalmente mostram que essa pode ser uma nova atuação desta empresa”, avalia Tagliassuchi.

Segundo informações do Ibope NetRatings, em Porto Alegre, cerca de 53% dos acessos são de mulheres, contra 47% dos homens. Este é um dos indicativos que já podem ser pensados na hora de uma empresa trabalhar a criação de um portal. E o enfoque para as vendas virtuais tem sido tão procurado que, segundo o Nielsen/NetRatings, em 2001 existiam 17 endereços eletrônicos do setor de e-commerce (lojas, leilões e endereços de shoppings de grandes portais); já em 2006 este número passou para 88 sites, um crescimento de 417%.

Link original

Share

Gustavo Tagliassuchi

Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS.Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total).Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil aforaMais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa.Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos.Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você.Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *