Gustavo Tagliassuchi
Estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, admirador do WordPress, co-organizador dos Meetups de WordPress em Porto Alegre, organizador do WordCamp Porto Alegre 2019 e co-organizador em 2018 e 2017, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto, corredor muito muito amador e sócio da Agência Dupla.

Design and usability

Uma coisa ficou clara para mim recentemente. Existem hoje duas grandes correntes no que diz respeito ao desenvolvimento de sites na web. A primeira é a corrente daqueles que primam pelo design (leia-se design tudo aquilo que além de bonito vem piscando, pesando e fazendo streaming pelo seu link de banda larga). A segunda corrente é aquela dos que consideram a praticidade da interface acima de tudo (usability).

É possível inclusive definir os dois grandes gurus de cada grupo. Jakob Nielsen do MIT e Gene Na da Kioken. O primeiro é ardoroso defensor da usability. O segundo é um designer de mão cheia. Ambos tem suas páginas, seus mandamentos, seus seguidores e publicam análises de sites de grandes empresas (como a Sony, por exemplo), dizendo onde estão errando e onde estão acertando nas suas iniciativas on-line.

Na minha opinião, os dois têm razão, mas vamos aos fatos:

1 – Não estamos mais em 1996, portanto, a resolução das telas não é mais padronizada pelos 640×480 pixels. Só que também não dá para generalizar com os 1024×768 pixels ainda;

2 – Os modems não são mais 28.8 Kbps, mas nem todos ainda possuem links de banda larga. Então, dá para dizer que a média está em 56 Kbps;

3 – 84% dos sites colocam seus logos na parte superior esquerda;

4 – A caixa de pesquisa na parte superior direita com 35%, na esquerda 30%;

5 – A média de largura das páginas é 770 pixels

6 – Com relação à distribuição do conteúdo, é necessário pensar sempre em: hierarquia e organização. Lembre-se que o usuário leva 30% de tempo a mais para ler um material on-line do que num impresso. Além disso, raramente ele navega abaixo do 3º nível da estrutura de um web site;

7 – É claro que também não adianta fazer um web site anêmico. Se você estiver desenvolvendo um projeto sério de e-commerce, é importante transmitir uma mensagem clara, imediata e forte, que reflita no seu negócio.

8 – Entenda que o design de um web site está para o usuário como o mouse está para um usuário de um software qualquer. Mesmo sem mouse ele deverá conseguir utilizar o software, o mesmo precisa ser feito para seu web site;

9 – Vale a máxima do design. Um design com conceito universal atinge todas as pessoas de todas as idades;

10 – Finalizando, lembre-se de testar o que você faz. Mas não faça isso com o seu programador ou com o seu designer. Teste com o público para o qual você desenvolveu!

Para saber mais sobre os “gurus”, de uma olhada nos seus respectivos sites, http://www.useit.com/ e http://www.kioken.com/.

Share

Gustavo Tagliassuchi

Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS.Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total).Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil aforaMais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa.Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos.Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você.Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *