Criando novos conteúdos

É importante lembrar que manter a consistência nem sempre significa manter uma frequência rígida.

Embora isso seja importante para mecanismos de busca, nem sempre é possível.

Crie a sua frequência inicial. Um post por semana? Um post a cada 15 dias? E aí trabalhe para manter o ritmo. Com o tempo você aumenta a frequência.

Se você criou um conteúdo que deu muito resultado no passado, observe o processo, como foi feito, replique o processo (não o conteúdo).

Mas não repita tudo o tempo todo.

Mude, crie novos conteúdos em novos formatos. Pense em como vai promover o conteúdo posteriormente à publicação.

E é claro, observe as métricas através dos relatórios! Vá olhar o Analytics do site, vá olhar os relatórios da ferramenta de email marketing.

4.1 Um rascunho sempre funciona

Eu até posso escrever no papel, mas é muito difícil escrever atualmente um texto inteiro no papel.

Prefiro rabiscar e organizar as ideias no papel, mas depois crio um rascunho da publicação, dentro da pasta, com todo o material relacionado.

Até porque mantenho algumas dezenas de posts semiacabados. E você pode fazer isso também.

Não é o ideal deixar os posts inacabados, mas você não precisa colocar nada fora só porque perdeu a linha editorial ou teve que abandonar a escrita de imediato.

4.2 Comece escrevendo, só escreva, esqueça do resto

Desenvolva a sua ideia de imediato. Depois se preocupe em colocar mais informações relevantes ou técnicas junto ao texto.

Isso ajuda a ignir o processo. Pelo menos para mim começar a escrever algo me diz se devo prosseguir ou não.

Embora normalmente esteja tão excitado fazendo o mapa mental do artigo que quando chego para escrever tenho certeza já que vai ser feito!

4.3 Seja claro e direto

Utilize uma linguagem simples, não encha de coisas técnicas ou jargões do mercado que atua.

Os americanos tem um termo bem específico para isso: K.I.S.S. – Keep it simple, stupid.

Pode parecer meio grosseiro, mas tem alguma lógica, foque na simplicidade.

A menos que você tenha um público totalmente estabelecido e identificado e que a sua linha de atuação seja muito mais técnica e exigente.

De outra forma mantenha as coisas simples.

4.4 Deixe as coisas complicadas mais simples

Quando tiver que explicar uma coisa complexa, faça de tal maneira que qualquer leigo entenda em linhas gerais.

Pergunte a alguém leigo se puder o que a pessoa acha sobre sua explanação, permita que analise o seu texto.

Isso vai lhe dar ideias fantásticas de onde simplificar mais quando for o caso.

Senão pense como iria explicar à sua mãe, sua avó ou ao seu filho mais novo um tema mais complexo.

Faça esse tipo de reflexão.

4.5 Utilize frases curtas

Como você observou aqui inclusive, a maioria das frases é curta. É claro nem sempre isso é possível.

Mas isso tem dois motivos, mantém o interesse do usuário e facilita a leitura na maior parte dos dispositivos, e ainda mantém o texto fácil de ser acompanhado com o olho.

4.6 Listas funcionam bem

Nem preciso dizer que listas e listas aninhadas são excelentes para organizar o conteúdo certo?

Você já viu algumas dezenas aqui. Eu particularmente não gostava delas no passado, mas passei a considerar melhor conforme fui observando que elas realmente eram úteis e funcionam para uma grande infinidade de conteúdos.

Assim como você pode organizar as mesmas de maneiras diferentes. Abuse das listas!

4.7 Formate o conteúdo

Falamos muito aqui de escrever um texto, mas isso pode facilmente virar um e-Book, uma apresentação, um vídeo, um infográfico, qualquer coisa!

Mas é importante entregar algo que seja bonito e agradável aos olhos. Isso não quer dizer que tenha que ser cheio de recursos e extremamente formatado.

Não é isso, pode ser simples sim. Mas entregue algo que demonstre qualidade. Se precisar vá atrás de um modelo/template.

Se não souber fazer, contrate quem sabe ou adquira algo pronto. E se guie pelo seu mercado se não tiver claramente conceitos de design mais desenvolvidos. Não por aquilo que você acha bonito.

Tem que manter alguma coisa mínima de padrão de qualidade, até na postagem do blog.

Primeiro facilitar a leitura/consumo. Se puder ser bonito melhor.

4.8 Tipos de conteúdo para criar

Talvez você tenha se interessado por este conteúdo especificamente post este item aqui.

Eu creio que sim, é um dos conteúdos mais importantes que estou compartilhando com você.

Embora ele seja extenso não termina aqui ok?

  • Animações de quadro branco: gosto muito, embora elas possam parecer complexas de construir não são realmente. Normalmente são disponibilizadas como um vídeo. Algumas ferramentas que poderão ajudar a cria são o Video Scribe, Rawshorts e Flixpress.
  • Apresentações: que você vai fazer ela no PowerPoint, no Google Apresentações ou no Keynote eu já sei. Porém lembre-se de gerar conteúdos adicionais e publicar. Publique no SlideShare (que anda bem ruim), no Speaker Deck, da maneira adequada, título, texto descritivo completo, e palavras-chave, certifique que vá linkar para a sua publicação real. E ainda, coloque ao final da sua própria publicação se possível. Algumas pessoas usam apresentações para formatar o que vão escrever, também é possível. Você pode criar conteúdo após ter apresentado um assunto em uma palestra/evento/workshop/reunião de negócios, é uma ótima maneira de aproveitar seu esforço.
  • Artigos: no geral pode começar com uma pergunta principal, e as maneiras que você encontrou de responder a mesma. Encontre uma dor que precise de remédio e resolva o problema, descrevendo como fez o processo todo. Detalhe muito a solução do problema. Se possível ilustre com uma história ou exemplo prático.
  • Bastidores: muita gente nem percebe, tem que gerar conteúdo para uma empresa, para seu negócio e tem um monte de assuntos para tratar nos “bastidores”. Como funciona a produção, como é o lado de dentro da fábrica, como determinado produto é produzido. Eu acho que tem muito assunto para ser explorado neste tipo de abordagem para mostrar o lado interno e humano de uma empresa/negócio.
  • Como os produtos são feitos: da mesma forma que o exemplo anterior, mas o assunto é tão vasto. Imagine por exemplo como se produz uma bola de golfe, desde o material bruto, fornecedores, a mão de obra, parque de máquinas, produção, acabamento até chegar no cliente final?
  • Compilação de posts: você já produz conteúdos, já tem algum volume, se tiver massa crítica suficiente pode criar conteúdos adicionais agregando o que já possui. Pode criar um e-Book que fala um de segmento do seu negócio e pedir e-mail para o pessoal baixar. Pode juntar links de diversos conteúdos publicados e enviar por e-mail marketing. Pode republicar uma lista nas redes sociais.
  • Cursos: pode parecer meio inception isso, mas muita gente prefere ler o livro, comprar o produto, usar o serviço, mas também fazer o curso. Você pode fazer desde versões gratuitas de tutoriais passo a passo, juntar conteúdos em tópicos mais relevantes, criar um curso/ordem cronológica de conteúdos existentes e mais importantes, distribuir como material de apoio, entregar somente para seus clientes existentes, sempre com objetivo de esclarecer dúvidas, treinar e informar.
  • Depoimentos: nada mais poderoso para sua reputação que alguém falando bem. Se você vende produtos, serviços, ajuda pessoas, então pode sim coletar depoimentos. Fotos e textos ajudam muito. Depoimentos em vídeo ainda melhor. Pergunte como você os ajudou, como seu produto/serviço agregou algo as suas vidas, como melhorou o negócio deles. Publique isso no seu site, publique em redes sociais. Mesmo que você publique todos no seu site de uma vez, pode largar periodicamente um depoimento em redes sociais, enviar por email marketing. Certamente agregará muito valor. Ah, e talvez o seu cliente não saiba que pode mandar um depoimento, então peça a eles que o façam!
  • Descritivo de produtos e serviços: é extremamente importante, é o ponto inicial de boa parte dos relacionamentos comerciais. É neste conteúdo que você agrega as informações mais importantes (e as técnicas também), as informações mais úteis, os links de manuais, os downloads de atualizações de software, a maneira como pode ser utilizado, pode ter um tour guiado, um vídeo explicativo. E todas essas informações dos produtos/serviço podem (e devem) render posts adicionais no futuro, ressaltando algumas características de um produto ou segmento de produtos. Pense nisso.
  • Entrevistas: algumas pessoas nem tem produto, não prestam serviços, mas mantém blogs fantástico escrevendo sobre diversos assuntos. Utilizam de maneira avançada entrevistas com especialistas das áreas que atuam, formadores de opinião, até dependendo entrevistam os próprios clientes ou usuários finais de suas soluções quando for o caso.
  • Estudos de caso: é uma das publicações mais poderosas que podemos lançar mão. Reside nelas a publicação de assuntos/casos bem específicos, através de uma apresentação, algum estudo objetivo, algum problema, e sua solução, ricamente detalhada, bem como os resultados alcançados e como chegar em tais resultados. Embora pareçam ter cunho excessivamente técnico podem ser utilizadas de maneiras mais simples a fim de ilustrar casos que podem servir de base para novos clientes ou resolução de problemas existentes.
  • Eventos: muitas pessoas participam de eventos, como ouvintes, como palestrantes. Muitas empresas participam de eventos nas suas áreas de atuação, expõe, colocam pessoas lá, as vezes por vários dias. Mas poucas criam conteúdos específicos deste tipo de evento. Você participou de um evento? Sobre o que era? Como foi? Pergunte a outras pessoas no evento o que eles acharam. E o seu estande? E o seu produto? E qual palestrante falou algo interessante? E a concorrência? E as fotos? E os vídeos? Não deixe os conteúdos se perderem.
  • FAQ / Perguntas frequentes: é uma extraordinária fonte de material. Pergunte no seu suporte técnico os 10 problemas mais recorrentes, eles vão saber na ponta da língua, e publique conteúdos para resolver ao menos parte deles. Ainda vai ajudar a diminuir o serviço do departamento. Descubra o que os clientes mais têm medo antes de fechar com o seu departamento comercial, pense como pode publicar algo para ajudar nesse processo. É material que ajuda a educar os clientes.
  • Conte histórias: não precisa ser sobre a pescaria do presidente da empresa. Talvez interesse mais aos clientes saber como o avô dele fundou a empresa 30 anos atrás. Conte algo que possa interessar. Mostre números, inclua fotos, inclua vídeos. Inspire!
  • Imagens: sim de imediato pense nas suas fotos. Preferencialmente tire as suas fotos! Eu sei que existem banco de imagens, até gratuitos, mas tire as suas fotos originais. Edite um pouco se souber, recorte, capture telas, crie memes com seus próprios materiais, utilize GIFs animados. Lembre-se, fotos do Google não, você pode ter problemas com direitos autorais. Ah, e se a foto vai para um post específico, faça o nome dela ficar adequado, por exemplo o post é : “Como tosar ovelhas” a foto destaque poderia ser como-tosar-ovelhas.jpg e a descrição dela e o ALT pode ser pelo menos o “Como tosar ovelhas”. Isso ajuda no seu SEO, pois aquela imagem FOTO0001.JPG não diz nada para o Google. Mantenha as boas práticas.Lembre-se de editar, e você não precisa ter licença do Photoshop, utilize as ferramentas disponíveis (algumas são pagas), vá conferir: Canva, Pablo, Pixlr, Fotor, Picmonkey, Snapseed (do Google para Android e iOS) e Lightshot.
  • Infográficos: embora algumas pessoas gostem de criar infográficos com frequência, é mais fácil reaproveitar conteúdos e criar infográficos a partir de posts já publicados. Não precisa ser lindo, mas tem que ser eficiente. Menos é mais, não encha de elementos desnecessários. Pense como vai ficar em baixa qualidade. A ideia principal é a visualização dos dados. Utilize ferramentas para este fim como o infogr.am, o Piktochart, o Venngage e o Easel.ly.
  • Landing pages: se precisar criar uma tenha em mente a simplicidade. Ela é uma página de destino muito específica. A estrutura de conteúdo pode ser mais livre que do resto do seu site/blog. Não deve ter estrutura de menus igual à do site. Faça a mesma direta, com poucas distrações, foque no conteúdo que quiser informar, deixe clara a ação, o call to action que você espera do usuário. Entregue o que ele veio buscar. Você pode utilizar o seu próprio CMS como o WordPress para criar landing pages ou utilizar uma ferramenta especializada.
  • Pesquisa/feedback: pode parecer estranho, mas esse tópico se faz muito necessário. Se quiser saber alguma coisa, se não souber alguma coisa, se precisar descobrir algo, pergunte! Peça feedback, mande questionários, solicite insistentemente que respondam, evolua com os dados coletados. O TypeForm e o Googe Forms certamente vão ajudar você.
  • Podcasts: Tive meu primeiro podcast em 2008 acho. Você pode fazer o seu do zero. Mas recomendo descobrir se o seu público gosta. Eventualmente pode ficar mais fácil fazer um vídeo e aproveitar o áudio para este fim. Você também pode criar a partir de um post existente. Os millenials gostam muito. Aqui no Brasil também funciona bem. Pense em começar simples, com os equipamentos que tiver, só garanta que o áudio fique bom e sem ruídos.
  • Posts de blog: Basicamente este documento fala principalmente de posts de blog. Ainda assim vamos deixar claro que existem algumas categorias: genéricos, masterposts, skyscraping e roundup como principais.
    • Os genéricos são normalmente o que você já produz;
    • Os masterposts são aqueles que você introduz um determinado assunto e recheia o mesmo com uma lista de links adicionais (de outros posts que você produziu anteriormente) para aprofundamento. Serve para você criar posteriormente e demonstrar sua autoridade para um determinado assunto por exemplo.
    • Os posts skyscraping como o nome diz são enormes. Onde você publica uma grande quantidade de conteúdos relevantes. É de fato o tipo de post mais completo de todos. Mas não encha de conteúdo apenas para fazer um!
    • E os posts roundup são aqueles que você compila diversas citações de terceiros, todas relevantes para o seu nicho de atuação. Normalmente demonstram que você sabe quem são os especialistas e influenciadores do mercado que atua.

Mas como falei anteriormente, não se apegue a estes termos, comece simplesmente escrevendo.

  • Publicações: da mesma forma que os e-Books, faça alguma editoração. Reaproveite conteúdos existentes. Foque na introdução, conteúdo e conclusão. Não estique demais. Utilize gráficos e links, abuse dos formatos, se for um livro, normalmente são vinculados à educação/ensino, dão credibilidade. Se for um e-Book, pode ser algo inédito, e aí peça algo em troca como nome e e-mail para baixar. Lembre-se ninguém quer ler 100 páginas. Assim como os papers e White Papers que ajudam a distribuir materiais técnicos mais específicos dentro de determinados nichos de atuação.
  • Redes sociais: não dê mais atenção do que elas merecem. Pense que você deve compartilhar primeiro tudo o que publica. Isso pode ser feito automaticamente. É claro que se puder deve compartilhar outros conteúdos distintos. Cada rede tem suas particularidades, tamanho de imagens, quantidade de texto. Observe os comentários, reclamações, anote e aproveite isso para ajudar seus clientes em novas postagens. E sempre responda os comentários, mas não fique escravo das redes, seu foco deve ser o seu site/blog próprio.
  • Tutoriais e guias: estes tipos de publicações estão sempre entre as mais procuradas. Explicar o funcionamento de produtos e serviços auxilia diretamente os clientes e interessados. Criar um guia passo a passo também. Mostre as aplicações práticas, abuse dos recursos de captura de tela e vídeos do tipo screencast. Recomendo que utilize o Screencast-o-matic se precisar fazer screencast.
  • Vídeos: um dos conteúdos mais relevantes atualmente, um dos que mais assusta e um dos mais subutilizados. Faça vídeos originais. Não precisa necessariamente ser editado profissionalmente, mas a qualidade do áudio tem que ser boa em primeiro lugar, em segundo a qualidade do vídeo. Conte uma história, sem vender. Grave depoimentos. Faça apresentações e grave vídeos delas, capturando as telas. Faça screencast. Tente vídeos 360 graus se puder. Mas faça um roteiro, simples, se for ler, leia direito, use teleprompter. Mas use o de sempre, introdução, confronto, resolução. Os equipamentos podem ser o seu celular, muita luz natural e um bom microfone. Seja rápido, ninguém tem tempo. Publique o vídeo com título, descritivo, palavras-chave e miniatura. Faça a transcrição se puder. Se tiver recursos perca tempo na pós-produção para ficar mais profissional. Comece com as ferramentas dos mortais como Adobe Spark, Ripl, Animoto, Vidyard, RenderFX, Explee, YouTube Director, Moovly, Showbox e WeVideo.
  • Webinars: da mesma forma que os vídeos, mas mais focados em lançamentos de produtos/serviços e construção de marca, utilize os webinars para impulsionar seus conteúdos. Lembre-se de definir o tema, apresentador e a ferramenta a ser utilizada. Crie a apresentação/roteiro, treine antes, se possível faça ao vivo (e depois utilize a gravação), faça entrevistas, meça tudo e envie e-mails posteriores de agradecimento e com a sua isca, se o objetivo for vender algo. Pode começar com as ferramentas mais simples como o YouTube Live, mas também recomendo que dê uma olhada em Webinarjam, Click Meeting, Zoom, Facebook Live, Join.me e Appear.in. Tem ferramentas de todos os tipos e todos os tamanhos.

4.9 Emoção é legal

As pessoas se identificam com histórias que carreguem alguma emoção. Então utilize este recurso.

Mas é claro, se vieram consumir um conteúdo mais técnico uma emoção mais carregada pode não fazer sentido.

Mas ler e perceber que outra pessoa escreveu aquilo ajuda muito.

Estamos chegando na era que as máquinas vão produzir nossos conteúdos, mas certamente não vão reproduzir nossas emoções (eu espero).

4.10 Curadoria

Lembre-se que você deve produzir seu conteúdo sim, mas não quer dizer que não possa indicar conteúdos bons para sua audiência.

Dependendo do seu mercado/ramo de atuação, pode fazer sentido indicar boas publicações do seu mercado para o seu público, isso é legal.

Mas nunca copie conteúdo de terceiros diretamente. Isso é ilegal e ainda vai gerar penalização nos mecanismos de busca.

Faça sempre uma versão sua.

4.11 Utilize preferencialmente imagens inéditas

Eu sei que temos excelentes bancos de imagens gratuitas. Eu mesmo utilizo imagens gratuitas e pagas em alguns locais.

Mas busco em sites específicos para este fim. Se quiser uma lista desses sites me mande uma mensagem!

Ei, imagens do Google não deveriam ser consideradas, mesmo que constem em CC0, livres de direitos autorais, permitidas para reutilização comercial etc.

Ainda, você deveria não utilizar as imagens disponíveis na web. Primeiro porque não quer dizer que se está online você pode utilizar.

Segundo, simplesmente porque elas (mesmo excelentes) podem ser utilizadas milhares de vezes, inclusive pelo seu concorrente!

Crie suas próprias fotos. Não é muito difícil fazer isso com o seu celular. Você já deve ser especialista inclusive certo?

Se não, é muito mais fácil aprender a tirar fotos mais legais, e utilizar as suas nos seus materiais sempre que possível.

Se não em tudo, pelo menos sempre que puder! Produza as suas fotos assim como vai produzir os seus vídeos!

4.12 Escreva para ensinar, não para vender

Foque sempre em entregar algo, ensinar algo. Não tente vender o tempo todo.

A venda virá como consequência do seu bom trabalho educando e ensinando a audiência.

4.13 Quando finalizar

É sempre bom aproveitar o fechamento dos textos para cobrar alguma coisa ou descobrir algo.

  • Faça as perguntas que gostaria de ver respondidas;
  • Estimule os comentários;
  • Peça opt-in no seu email marketing;
  • Peça compartilhamento;
  • Estimule cadastro em redes sociais;

Deixe muito claro o CTA – call to action. Se quiser que ele faça algo, sugira o que ele deve fazer!

4.14 Cuide do título/assunto

Coloquei isso aqui no final porque muita gente não dá muita importância ao título como ele realmente merece.

Se você perde uma semana escrevendo um texto, nada mais justo que cuidar do título de maneira adequada né?

É ele que vai impactar em primeiro lugar (junto com a imagem em destaque) o seu usuário. Pode ser a diferença entre o clique ou passar direto.

  • Inclua no seu título algumas palavras-chave principais se possível;
  • Persuasão ajuda muito;
  • Estimule o clique e a leitura, mas não faça clickbaiting, ou seja, não minta com um assunto que não tem nada a ver com seu texto só para garantir o click;

4.15 E escreva direito

Não tem NENHUM motivo para não ter utilizado o corretor ortográfico no seu texto.

Você até pode não lembrar das regras gramaticais que aprendeu na escola, mas o seu usuário merece o melhor, ninguém merece os erros básicos.

Ninguém está livre disso, certamente você vai encontrar alguma coisa errada neste material se procurar.

Se já passou o corretor ortográfico, passe novamente, e investigue todas as sugestões que ele fizer.

Finalizando

Eventualmente você vai ser encontrado pelos conteúdos adicionais que publica, não pelo seu conteúdo principal.

Então caprichar nos conteúdos secundários ajuda muito, ainda é importante.

De qualquer forma, situações reais sempre rendem posts legais. Conte suas próprias experiências. Observar os profissionais da sua área de atuação também ajuda.

Material de apoio

Recursos adicionais

Imagem padrão
Gustavo Tagliassuchi
Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS. Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total). Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil afora Mais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa. Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos. Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você. Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.
Artigos: 550

Deixar uma resposta

Translate »