Gustavo Tagliassuchi
Estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, admirador do WordPress, co-organizador dos Meetups de WordPress em Porto Alegre, organizador do WordCamp Porto Alegre 2019 e co-organizador em 2018 e 2017, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto, corredor muito muito amador e sócio da Agência Dupla.

Como avaliar um web site: a parte chata

Como avaliar um web site: a parte chata

O site precisa ter um domínio, estar hospedado, acessível, disponível, com todos elementos rodando por trás para servir a algum propósito.

E mais, todos os sistemas e subsistemas tem que estar funcionando.

Nada pior do que um site cheio de erros, links quebrados ou com formulário de contato que não envia e-mail.

Como o site está?

Não é porque um site é simples que ele é necessariamente ruim ou tem algum problema.

Comecemos com algumas ferramentas para você se ambientar com algumas coisas a serem avaliadas

  • Hubspot Website Grader: ferramenta interessante, dá em linhas gerais considerações sobre performance, versão mobile, SEO e segurança. Além do ranking geral, em Performance, fornece informações sobre o tamanho da página principal, quantidade de requisições, tempo de carregamento, cache de navegador, redirecionamentos, compressão gzip, render blocking. Inclui ainda para mobile se o site é responsivo e se a largura é adequada para diferentes dispositivos. Em SEO as verificações básicas de títulos de páginas, meta descrições, títulos e sitemap. Em segurança apenas verifica o status do certificado SSL. Mas é um bom ponto de partida e você pode se aprofundar em cada item. Ao final ainda oferece algumas recomendações mais imediatas.
  • URLScan.io: É outra ferramenta que tem como objetivo exibir dados mais técnicos sobre as requisições, IPs de origem, scripts que são utilizados, tecnologias detectadas, detalhes sobre algum tipo de blacklist que o domínio pudesse estar listado e mais informações técnicas. Deixei-o na lista porque fornece informações valiosas sobre sites que tem estrutura similar e são hospedados em diferentes domínios e IPs, o que pode fornecer algum tipo de indício de phishing ou falcatruas.

Que tecnologias está utilizando?

É importante fazer um teste inicial, caso você não tenha acesso direto ao site, e tentar descobrir mais sobre as tecnologias que foram utilizadas no desenvolvimento do mesmo.

  • Builth with: Ferramenta útil e prática, fornece dezenas de informações preciosas para a sua análise.
  • Wappalizer: É uma extensão de navegador que fornece informações sobre o site que está sendo acessado no momento. Muito cuidado que ela tem alguns bugs.
  • WhatRuns: Da mesma forma que o Wappalizer, também é uma extensão para o Chrome.
  • SimilarTech: Fornece informações adicionais ao Builth With.
  • What CMS? Detecta e fornece informações sobre o CMS utilizado no site.
  • CubDomain: Fornece informações adicionais sobre o domínio, redes sociais e relevância do site, se estiverem disponíveis.
  • Se for WordPress: Se tiver certeza que o site foi feito com WordPress, ainda pode tentar coletar informações adicionais em:

Estou ajudando a indexar?

Importante, mesmo tendo falado anteriormente, que o site pode até ser indexado sozinho pelos mecanismos de buscas.

Mas é fundamental que esteja com todos os recursos disponíveis para facilitar e melhorar a indexação.

Então você tem que verificar isso, se possui sitemap em formato XML, se possui pelo menos o básico de SEO, e se está aparecendo em resultados de buscas.

Quanto tempo ele fica no ar todo mês?

Não é difícil encontrar quem não saiba esta informação. Afinal, toda vez que você acessa o site ele está no ar não é mesmo?

Para ter certeza disso utilize ferramentas de monitoramento, de minuto a minuto, como o Freshping ou Uptime Robot.

Se isso é importante? Sim, fala muito sobre a qualidade da hospedagem, se o site está de alguma forma sobrecarregado, e o mais importante, é fator de rankeamento do Google por exemplo.

As imagens estão otimizadas?

É fundamental que o site carregue rapidamente. Para isso, entre outros fatores de otimização, as imagens precisam estar na melhor proporção entre qualidade/tamanho.

Você pode verificar se isto está ok, e eventualmente até receber imagens otimizadas, nas seguintes ferramentas.

  • GT Metrix: Analisa diversos aspectos sobre o tempo de carregamento dos sites, mas fornece informações detalhadas sobre as imagens.
  • Web Page Test: Da mesma forma que o GT Metrix, faz inúmeros testes, de diferentes locais, e fornece dezenas de parâmetros e informações de performance, inclusive das imagens.
  • Pingdom: Ferramenta recentemente adquirida pela Solar Winds, também fornece dezenas de parâmetros, além das informações sobre as imagens especificamente.

Métricas importantes

Existem dezenas de métricas quando falamos em avaliar um site, DNS, SSL, tempo de carregamento do primero byte, negociação, pacotes de dados, imagens, HTML, CSS, scripts internos, externos, redirecionamentos e por aí vai.

Algumas delas que eu recomendo você ficar observando.

  • Time to title: É aquele tempo entre o visitante chamar o site (tipo digitar a URL no navegador e pressionar enter) e ver o título do mesmo exibido na aba do navegador, ou se preferir, velocidade de entrega do servidor de origem até o navegador do usuário. Quanto menor, melhor.
  • Time to start render: É o tempo para o navegador começar a renderizar a exibição do que está sendo carregado. Quanto mais cedo ele começar a visualizar o conteúdo, mais chances de ele ficar na página.
  • Time to interact: Tempo entre ele clicar em algum link, digitar algum texto em algum campo ou rolar a página.
  • DNS Lookup: É o tempo que o servidor de DNS leva para traduzir o nome do domínio em um endereço IP.
  • Connection Time: É o tempo que uma requisição leva para se estabelecer entre o servidor de origem e o navegador do usuário. É uma métrica importante e também muito difícil de ser estabelecida.
  • TTFB: O time to first byte é o famigerado tempo que leva para o primeiro byte de informações chegar ao navegador do usuário, logo depois que a conexão com o servidor foi estabelecida. Eventualmente o site tem problemas aqui, que podem ser tanto na parte de DNS, domínio, e hospedagem, quanto em alguns pontos do próprio site.
  • TTLB: Aqui é o contrário, time to last byte, ou simplesmente logo após ele ter recebido todos os pacotes de dados do site. Este ponto pode ser impactado pelo próprio código, banco de dados, ou mesmo servidor web com problemas.
  • Overall Weight: É o tamanho total de bytes que o usuário recebe, ou o “peso” do site propriamente. O peso médio da página principal dos sites cresce ano a ano. Em 2010 era 702Kb, e hoje cerca de 3MB. No peso total estão contemplados código, CSS, imagens e arquivos externos.
  • Error Rate: É uma métrica não relacionada à velocidade propriamente. Ela trata do número médio de solicitações com problemas com relação ao total de solicitações. Durante um teste é normal perceber um aumento da taxa de erros.

Tem links quebrados?

Outra questão comum, o site vai envelhecendo, links também vão envelhecendo e morrendo. Sendo internos ou externos, devem ser checados com alguma periodicidade.

Esses erros impactam na experiência do usuário e também na indexação do site, prejudicando o SEO em alguns aspectos.

Existem muitas ferramentas para testar links em um site, se ele não for muito grande tente estas duas ferramentas.

E o SEO como está?

O SEO nos dias de hoje é um grande fator de auxílio ao sucesso de um site, facilitando que seja indexado e seu conteúdo categorizado e facilmente encontrado por quem pesquisa.

Esses parâmetros influenciam diretamente na relevância dos conteúdos indexados, e auxiliam quando bem feitos, os mecanismos a identificarem e catalogarem os conteúdos, mas adequadamente.

Faça alguns testes com:

Claro que as palavras-chave e outros indicadores são importantes. É provável que você nem sempre tenha acesso ao site testado. Então é preciso focar em saber se os elementos necessários estão disponibilizados imediatamente, e não no resultado disso propriamente.

E a performance?

Já falamos de alguns pontos, mas novamente temos que juntar ferramentas, diversos pontos impactam na performance do site, entre eles:

  • Hospedagem: É um dos fatores principais do sucesso de um site.
  • CDN: Deixe o conteúdo estático mais perto do usuário final.
  • Cache: Ajuste os parâmetros e obtenha grandes resultados com otimização e entrega dos arquivos aos usuários.
  • Imagens: Sempre mantenha tudo otimizado, principalmente os conteúdos da página principal do site.

Para medir esses indicadores de performance, ferramentas que você já conhece, com indicadores específicos para sua análise.

Existem outras? Sim, muitas. Mas essas três acima devem ser sempre seu ponto de partida na investigação. São simples e muito completas.

O site está seguro?

Além do certificado SSL obrigatório, é preciso saber se o site está seguro e livre de qualquer tipo de vírus ou malware.

Isso impacta na experiência do usuário e muito negativamente no SEO, sendo o Google um grande incentivador das melhores práticas.

Se você tiver acesso ao mesmo, pode verificar se ele tem algum tipo de backup regular e se tem também firewall e alguma coisa que faça varredura frequente a procura de vírus ou malware.

Caso precise testar comece com:

  • Sucuri SiteCheck: Ferramenta simplificada de escaneamento de sites.
  • Transparency Report: Ferramenta do Google, informa se o site tem algum registro de ocorrências.
  • VirusTotal: Também varre por arquivos ou URLs, confirmando e batendo os dados do site com uma grande quantidade de mecanismos de segurança.
  • Quterra: Tem ferramentas específicas para a grande maioria dos CMS do mercado, procurando por vírus, malware e códigos comprometidos.

Se estiver analisando um site feito em WordPress, ainda tem opção adicional das seguintes ferramentas:

Está atualizado, tecnicamente falando?

Ainda, importante, muito importante quando analisar um site saber se o mesmo está atualizado.

Cada framework, cada CMS tem suas atualizações periódicas e as de segurança sempre devem ter prioridade.

Algumas ferramentas vão fornecer informações adicionais para você saber se o site analisado está ou não atualizado.

Importante também lembrar que aberturas em Flash, não ter versão responsiva, páginas lentas, conteúdo atualizado há muito tempo, erros gramaticais, entre outros já são considerados grandes problemas e um grande sinal de alerta em uma primeira avaliação.

Share

Gustavo Tagliassuchi

Eu sou Gustavo Tagliassuchi, minha formação é em tecnologia em informática, me especializei em desenvolvimento de software para a web, mas minha experiência profissional desde a década de 90 inclui editoração eletrônica, gráficas, desenvolvimento de aplicativos multimídia multi-plataforma, produzi muito CD-ROM, quiosques multimídia, fui o primeiro desenvolvedor da Apple no RS. Trabalhei em provedores de acesso à Internet, em algumas agências e também criei algumas delas (4 no total). Ajudei a fundar a AGADi que posteriormente virou ABRADi e se multiplicou Brasil afora Mais recentemente ainda fui sócio de uma empresa de e-mail marketing e monitoramento de mídias sociais, onde desempenhei diferentes atividades, como responsável pelo desenvolvimento de ferramentas oferecidas em padrão SAAS, fui responsável pelo suporte e atendimento de uma rede de mais de 18.000 marcas entre clientes diretos, canais e parceiros, além de dar apoio ao marketing digital da empresa. Mas isso tudo não importa, o que importa é que eu nunca deixei de fazer web sites, atender clientes de todos os tipos e portes, e ajudar amigos e parceiros a utilizar melhor a Internet e a melhorar a qualidade dos serviços que prestavam, e até a criar produtos e escalar os mesmos. Então, até influenciado por alguns deles, resolvi criar alguns cursos e transformar este conhecimento que adquiri em algo interessante para você. Não vou vender nenhuma fórmula mágica, não garanto que ninguém vá ficar milionário da noite para o dia, mas eu acredito que consigo acrescentar alguma coisa da experiência que adquiri nesses últimos 26 anos para ajudar você a melhorar e a solucionar alguns problemas dos seus clientes, vou lhe ajudar a fazer a diferença na vida dos seus clientes.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *