Acidente nuclear de Chernobyl 30 anos depois

Quando ocorreu o acidente nuclear em Chernobyl eu tinha 13 anos e estava na 7ª série do colégio. Lembro bem desta época, por diversos motivos, tinha trocado de escola para uma escola onde tinha estudado 4 anos antes, então tudo tinha mudado, tinha poucos amigos. As músicas que tocavam no rádio nesta época iam de bandas de rock pesado até bandas new wave e darks com som melancólico demais para um jovem estudante. Também lembro que poucas meninas (nenhuma) me davam bola! Ah e lembro que tinha ido visitar o Mickey alguns meses antes, mais do que isso já não me recordo muito.

Mas enfim, algo que lembro bem desta época foi o incrível acidente nuclear em Chernobyl, usina localizada na Ucrânia, lembro que de imediato o evento negado e camuflado pela então União Soviética.

Naqueles dias seguintes as notícias foram as piores, como a quantidade de pessoas morrendo e o tamanho da poluição radioativa que se espalhava mundo afora. Até que o Mikhail Gorbachev apareceu na TV para fazer um mea culpa e pedir apoio para tal catástrofe.

Agora no triste aniversário de 30 anos descobri que um consórcio internacional está construindo um escudo metálico para ser colocado sobre o sarcófago de concreto do reator 4 (o que expodiu), pois a contenção do mesmo já está severamente comprometida.

Pelo que li de 15 anos para cá, além da zona de exclusão de 30Km de raio, todo o local está entregue a natureza, que está buscando se renovar. Mas além das mortes e de todas as pessoas que tiveram sua saúde severamente prejudicada (muitos ainda morrerão por anos a fim em função da contaminação), ainda existem os perigos de novas contaminações, e as previsões otimistas não se concretizaram, ou seja, ainda não se sabe ao certo se em 300 anos locais próximos poderão ser povoados novamente, creio que não saberemos na nossa vida.

Mas eu tive vontade de escrever este post muitos anos atrás, quando vi as fotos de Elena Filatova, que disse inicialmente que tinha feito uma viagem de moto por toda a área de exclusão, isso foi em 2000/2001. Posteriormente se descobriu que ela não foi 100% honesta, não foi uma viagem solitária nem de moto, foi de carro com amigos e um guia, e ela justificou dizendo que era uma visão poética sobre o ocorrido. Isso não importa muito, porém os registros fotográficos se perderam, seu site estava no Angelfire que fechou a alguns anos.

Mas eu encontrei algumas coisas na web para ilustrar como as coisas ficaram por lá.

Aqui um documentário inteiro do Discovery Channel (você tem que ver lá, tem restrições)

https://www.youtube.com/watch?v=pJ9imsC8_gg

 

E um álbum de fotos no Flickr

Chernobyl/Pripyat Exclusion Zone (015.8057)

Photo by Nicolas Raymond.

Gustavo Tagliassuchi

Velha ave de rapina, estudioso da web e seus desdobramentos, nerd, micreiro, pai dedicado de três filhos (um é peludo), marido esporádico, empreendedor, especialista em desenvolvimento de software para web, pesquisador, escritor, professor, marketeiro digital, blogueiro, apreciador de cervejas artesanais, profundo admirador do WordPress, ouvinte das músicas dos anos 80, sobrevivente do colesterol alto e corredor muito muito amador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *